conecte-se conosco

Estilo de Vida

Cúrcuma pode melhorar a memória e o humor, garantem experts

Publicado

em

curcuma-pedrorubens

Sabe a cor alaranjada da cúrcuma (ou açafrão-da-terra), o ingrediente essencial do curry, tempero indiano composto por diversas especiarias? Pois ela é sinal da presença de uma substância chamada curcumina, cujos efeitos na saúde são pra lá de promissores. Cientistas da Universidade da Califórnia (UCLA), nos Estados Unidos, acabam de descobrir, por exemplo, que o composto é um baita aliado da memória.

No trabalho, publicado no Jornal Americano de Psiquiatria Geriátrica, os pesquisadores examinaram o papel de um suplemento de curcumina facilmente absorvível na memória de pessoas sem demência – eles ainda aproveitaram para checar seu potencial impacto nas placas microscópicas que se formam no cérebro de quem tem Alzheimer.

O estudo envolveu 40 adultos de 50 a 90 anos que tinham queixas leves em relação à capacidade de guardar informações. Os participantes receberam placebo – ou seja, um suplemento sem curcumina – ou 90 miligramas da substância duas vezes ao dia, por 18 meses.

Depois desse período, as vantagens para quem ganhou curcumina de verdade foram notáveis – além de a memória ter ficado mais afiada, a capacidade de atenção se mostrou melhor. Para completar, o humor saiu beneficiado e exames revelaram menor agregação de placas em certas regiões da massa cinzenta.

“Ainda não está completamente elucidado como a curcumina age, mas pode ter a ver com sua habilidade de reduzir inflamação no cérebro, processo que tem sido associado tanto ao Alzheimer como à depressão”, disse Gary Small, principal autor do estudo, ao site da UCLA. A substância também anima cientistas pelo seu poder de diminuir o risco de câncer.

Embora a investigação tenha sido realizada com a curcumina isolada, não custa lembrar que os cidadãos na Índia – país que é grande consumidor do curry – apresentam baixa prevalência de Alzheimer. É ou não motivo pra já arrumar espaço para o tempero no dia a dia?

 

Fonte: saúde

Notícias do Brasil e do mundo você encontra aqui. Leia, comente, compartilhe e assista nossos programas. NBO - Um Novo Brasil Online começa aqui.

Estilo de Vida

O QUE É TRIPOFOBIA – MEDO DE BURACOS

Publicado

em

O-QUE-É-TRIPOFOBIA-–-MEDO-DE-BURACOS.jpg

[ad_1]

[ad_2]

Source link

Continue lendo

Estilo de Vida

Tuberculose ganglionar: o que é a doença que afetou Simaria

Publicado

em

thinkstockphotos-622287416

 

Fonte:claudia

Continue lendo

Notícias

Vacinação contra gripe começa na segunda-feira em todo o País

Publicado

em

750_gripe-vacinacao-campanha_2018418174355476

O Ministério da Saúde lança na próxima segunda-feira, 23, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe. Até o dia 1º de junho, crianças entre 6 meses e 5 anos, maiores de 60, trabalhadores de saúde, professores, pessoas privadas de liberdade, com necessidades especiais, gestantes, mulheres que tiveram filhos nos últimos 45 anos e indígenas poderão ir a um dos postos de saúde para receber o imunizante. Neste ano, a vacina protege contra o H1N1, influenza B e o H3N2, tipo de vírus que provocou um aumento significativo de casos e de mortes relacionadas à doença no Hemisfério Norte. Em Goiás, em virtude do aumento de casos de gripe, a campanha foi antecipada.

“Apesar de o aumento de casos ter sido muito significativo no Hemisfério Norte, não temos até agora nenhuma indicação que o mesmo fenômeno vá se repetir no Brasil”, afirmou a coordenadora do Programa Nacional de Imunização, Carla Domingues.

Neste ano, foram confirmados no País 392 casos de influenza, com 62 óbitos. No mesmo período do ano passado, foram 394 ocorrências, com 66 mortes. Além de o número de casos ser semelhante ao do ano passado, Carla observou que, para população do Hemisfério Sul, a vacina contra gripe já leva em sua composição o imunizante feito de variações de cepas identificadas na região. Por isso, completou, a necessidade de as pessoas aderirem à campanha.

O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, afirmou que a maior preocupação da campanha neste ano é garantir cobertura vacinal semelhante em todos os grupos considerados prioritários. Occhi observou que, embora a cobertura no ano passado tenha sido de 88%, em algumas populações ela esteve abaixo do que seria considerado ideal. Foi o caso, por exemplo, das crianças entre 6 meses e 5 anos. No ano passado, 77% das crianças nessa faixa etária foram imunizadas.

“Fazemos um apelo para que pais levem seus filhos aos postos de vacinação. Crianças abaixo de 5 anos estão mais suscetíveis a complicações provocadas pela gripe, podem desenvolver casos graves da doença”, alertou Carla.

O ministério afirmou que não será feita a prorrogação da campanha. Depois do prazo, qualquer pessoa interessada poderá ser vacinada contra a gripe, com as doses remanescentes. Carla disse não haver a princípio nenhuma estratégia para fazer uma campanha coordenada de vacinação contra gripe e febre amarela. Ela observou, no entanto, que no caso de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia, que fazem uma campanha de imunização contra a febre amarela, tal política poderá ser adotada.

“Mas isso irá ocorrer de acordo com a orientação dos governos locais e, sobretudo, de acordo com a capacidade dos profissionais de saúde.”

Ela esclareceu, porém, não haver nenhuma contraindicação de se aplicar simultaneamente a vacina contra a febre amarela e a contra a gripe.

A expectativa do governo é imunizar 54 milhões de pessoas. O quantitativo adquirido é superior a essa marca. Foram encomendados ao Instituto Butantã 60 milhões de doses. O ministro afirmou que a diferença é uma margem de segurança. “Caso haja desvio ou perda do imunizante.”

O Brasil é o País em que a oferta da vacina contra gripe é mais abrangente, disse Carla. “Em nenhum outro local do mundo tantos grupos têm acesso à vacina gratuita.” Não há intenção do governo em ampliar esse grupo. A coordenadora explica que a população adulta e não atendida pela campanha de vacinação é indiretamente protegida. Isso porque quanto mais pessoas estão vacinadas, menor o risco de circulação do vírus. “E isso beneficia a todos. Incluindo os não vacinados.”

Há dois critérios que determinam a escolha de grupos atendidos pela campanha de vacinação contra gripe. Em primeiro lugar, os mais vulneráveis. Pessoas que, se contaminadas, têm maior risco de contaminação, como idosos, crianças e gestantes. Em segundo lugar, estão integrantes de grupos mais expostos ao vírus, como profissionais de saúde, pessoas privadas de liberdade e professores.

 

Fonte: atarde

Continue lendo
Publicidade HTML tutorial

+Vistos