conecte-se conosco

Notícias

Jornalista da Globo é aposentado por invalidez após tiro na cabeça

Publicado

em

csm_jornalista1601_35f281c0ce

O jornalista Alexandre Farias, da TV Asa Branca, afiliada da Globo em Caruaru (PE), passou por uma perícia do INSS e foi aposentado por invalidez depois de ser vítima de uma bala perdida há exatos quatro meses. A informação é do Uol.

Alexandre tinha acabado de apresentar o telejornal “ABTV – 2ª edição” e seguia para casa, no dia 16 de setembro, quando ficou no meio de um tiroteio entre policiais e suspeitos de roubar um carro. Na fuga, os bandidos ainda atropelaram dois socorristas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Alexandre foi baleado na parte frontal da cabeça, pouco acima do olho.

O jornalista foi socorrido e passou por uma cirurgia de 4 horas. Ele teve perda de parte da massa encefálica. Os médicos optaram por não retirar a bala, que permanece alojada na cabeça da vítima.

O irmão do jornalista, José Santos Júnior, afirmou que Alexandre recebeu o resultado da perícia no INSS em dezembro. Ele recebeu primeiro o auxílio doença e agora foi aposentado por invalidez. “Foi uma surpresa para todos nós, porque ninguém está pensando nisso agora. A gente espera que ele se recupere logo”, diz o irmão.

O apresentador está fora da UTI, mas segue no trabalho de recuperação, faznedo fisioterapia. Ele se comunica por gestos, por não conseguir falar ainda. Ele ainda deve passar por cirurgia de reconstrução craniana, mas é preciso liberação da Anvisa, pois o material do procedimento é importado.

Três suspeitos pelo crime foram presos em um sítio de Lagoa de Pedra, área rural de Caruaru. Um quarto foi morto na mesma ação em troca de tiros com a PM. Outro segue foragido.

 

Fonte: correio

Notícias do Brasil e do mundo você encontra aqui. Leia, comente, compartilhe e assista nossos programas. NBO - Um Novo Brasil Online começa aqui.

Notícias

Boulevard Shopping Camaçari recebe o Feirão da Casa Própria

Publicado

em

SHOPPING-BOULEVARD-CAMAÇARI-03

São 2.700 unidades com preços entre R$ 100 mil a R$ 150 mil.

Nos dias 26, 27 e 28 de abril, o Feirão da Casa Própria do Servidor estará no piso L1 do Boulevard Shopping Camaçari. Os funcionários públicos terão a opção de escolher entre 2.700 unidades disponíveis na sede e na orla da cidade, com preços entre R$100 mil a R$150 mil. Aqueles que optarem pela compra, terão benefícios como descontos de até R$10 mil, entrada a partir de R$9,90, isenção do IPTU, ITIV até 5 anos, a depender do imóvel, taxas cartoriais e brindes.

O Feirão é uma realização da Prefeitura de Camaçari, através da Secretaria da Habilitação (Sehab) e da Caixa Econômica Federal que buscam facilitar a compra da casa própria para o servidor público do município.

Serviço: Feirão da Casa Própria do Servidor

Onde? Piso L1 Boulevard Shopping Camaçari

Quando? 26, 27 e 28 de abril

Gratuito

Continue lendo

Notícias

Empresas regulam doações eleitorais de funcionários

Publicado

em

Empresas-regulam-doações-eleitorais-de-funcionários.jpg

[ad_1]

Na primeira eleição geral que contará só com financiamento de pessoas físicas e recursos públicos, as principais empresas do País têm orientado seus executivos e funcionários a não vincularem eventuais doações a candidatos às companhias onde trabalham. Há casos de empresas que chegaram a proibir esse tipo de repasse até mesmo por parentes de seus empregados.

O veto à participação no processo de financiamento de campanha partiu principalmente de companhias que se envolveram na Operação Lava Jato, e que tiveram seus ex-presidentes presos, como as empreiteiras OAS e UTC e o banco BTG Pactual.

A OAS é a que adota o posicionamento mais rígido entre as empresas pesquisadas pelo Estado ao recomendar que seus colaboradores “não realizem doações político-partidárias em nome próprio, nem por meio de seus respectivos cônjuges e parentes de 1.º grau”. Em nota, a construtora afirmou que a medida pretende evitar que uma possível doação seja atribuída à empresa. Em 2014, a OAS foi uma das dez maiores doadoras de campanhas eleitorais – quase R$ 83 milhões.

A UTC registra em seu código de conduta que fornecedores e colaboradores “não devem aceitar pedidos financeiros, pleitos, provocar ou sugerir qualquer tipo de ajuda financeira, pagamento de ‘taxa de urgência’, gratificação, prêmio, comissão, doação, presente ou vantagem pessoal” a empresas públicas ou candidatos. O BTG Pactual, por sua vez, estabeleceu que seus diretores e sócios “não estão autorizados a fazer qualquer tipo de doação eleitoral”.

Outra empresa que adotou essa determinação foi o Itaú Unibanco, apesar de não estar citada na Lava Jato. A instituição vetou a “contribuição por administradores e respectivos cônjuges para partidos e campanhas políticas em anos eleitorais”.

Ao todo, o jornal O Estado de S. Paulo procurou 35 empresas e recebeu respostas de 15 delas – responsáveis por R$ 1,042 bilhão em doações eleitorais em 2014, um terço do total. De maneira geral, as empresas consultadas afirmaram que não irão proibir seus funcionários de fazerem doações a políticos, mas recomendam que fique explícito que essas contribuições são independentes.

Esse será o caso da empresa JBS, campeã de doações em 2014 e epicentro do escândalo que resultou em duas denúncias contra o presidente Michel Temer. “A JBS respeita a legislação e o direito de seus colaboradores participarem do processo político”, diz a empresa. “Mas eventuais doações devem ser em caráter estritamente pessoal, sem a intenção de obter vantagens ou benefícios.”

Mesmo protagonistas da Lava Jato, como a Odebrecht e a Andrade Gutierrez, também liberaram seus funcionários a fazerem doações, com a ressalva de que “não devem relacionar de forma alguma as contribuições ou opiniões políticas à empresa”. Ambev e Bradesco, Banco do Brasil, Petrobrás e Eletrobrás também vão adotar a mesma política.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

[ad_2]

Source link

Continue lendo

Notícias

'O que puder fazer por decreto, vamos fazer', diz ministro sobre reforma trabalhista

Publicado

em

039O-que-puder-fazer-por-decreto-vamos-fazer039-diz-ministro-sobre-reforma-trabalhista.jpg

[ad_1]

Ajustes na lei da reforma trabalhista serão realizados preferencialmente por decreto, é o que afirmou o ministro do Trabalho, Helton Yomura, à GloboNews. Em alguns pontos, o governo também afirmou que pode usar outros instrumentos, como projeto de lei ou portaria do próprio ministério.

A medida provisória que regulamenta alguns pontos da reforma trabalhista, como trabalho intermitente e autônomo, jornada de 12 por 36h e trabalho de grávidas e lactantes em ambiente insalubre, perde a validade nesta segunda-feira, 23. Com isto, esses e outros pontos do projeto ficarão sem regulamentação, criando insegurança jurídica na aplicação da lei.

De acordo com a Casa Civil, técnicos do governo começaram a levantar quais pontos da reforma trabalhista poderão ser regulamentados por um decreto.

[ad_2]

Source link

Continue lendo
Publicidade HTML tutorial

+Vistos