conecte-se conosco

Tecnologia

Hackers utilizam Telegram para instalar minerador de moedas no PC das vítimas

Publicado

em

telegram-logo

Uma nova modalidade de golpe está atingindo diretamente os usuários do Telegram em sua versão desktop, que podem ser levados a instalar mineradores de moedas virtuais ou permitirem que suas máquinas sejam acessadas remotamente por hackers. Em ambos os casos, as vítimas são levadas a baixarem softwares maliciosos disfarçados de imagens ou vídeos.

De acordo com a Kaspersky Labs, responsável pela descoberta, o problema estaria localizado no método Right-to-Left Override Unicode, utilizado para codificar linguagens como árabe e hebreu, que são escritas da direita para a esquerda. O sistema é usado para que as mensagens nestes idiomas sejam exibidas corretamente para todos os utilizadores e, agora, também para mascarar os links para as pragas virtuais.

O link para download fica oculto no nome de uma imagem, por exemplo, que, ao conter um caractere em algum dos idiomas que usam o método, acaba ocultado devido ao fato de a plataforma renomear o arquivo automaticamente. O download e instalação, então, são feitos de maneira oculta, sendo ativados automaticamente e transformando o PC dos usuários em mais um ponto de ataque para os criminosos.

O uso mais comum dessa falha, segundo a Kaspersky, é a instalação de mineradores de moedas como monero, zcash e fantomcoin, apesar de outras instâncias desse tipo também terem sido identificadas. Em todos os casos, o resultado são máquinas mais lentas e tendo seu poder de processamento roubado enquanto geram fundos virtuais que são enviados diretamente para as carteiras dos hackers, de origem russa.

Os especialistas, entretanto, também dizem ter localizado exemplos de sistemas comprometidos para acesso remoto, com direito a roubo de dados locais do Telegram e uma possível utilização em redes de computadores zumbis. Não existem relatos da obtenção de outras informações pessoais, além das que poderiam estar disponíveis no cache do mensageiro, mas essa segunda modalidade de ataque poderia levar a isso, uma vez que a abertura remota poderia ser usada para instalação de novos executáveis maliciosos.

Ao descobrir o problema, a Kaspersky disse ter informado aos responsáveis pelo Telegram. Entretanto, até esta terça-feira (13), quando a ameaça foi revelada ao público, a equipe do aplicativo não teria fechado a brecha, o que motivou sua divulgação pública como forma de forçar o time a fazer exatamente isso, principalmente quando se leva em conta a gravidade da falha e a grande quantidade de maneiras pelas quais ela pode ser explorada.

Segundo os especialistas, a melhor forma de se manter seguro é ter uma solução de proteção instalada, atualizada e ativa no computador. De acordo com a Kaspersky, softwares antivírus, inclusive o próprio, são capazes de barrar esse tipo de exploração do sistema Unicode, uma ação que, junto com o bom senso, pode evitar que as pessoas se tornem vítimas. O ideal é evitar o download de arquivos enviados por usuários desconhecidos e manter o desconfiômetro ligado mesmo para aqueles que tenham sido mandados por amigos ou contatos reais.

Fonte: Kaspersky

Notícias do Brasil e do mundo você encontra aqui. Leia, comente, compartilhe e assista nossos programas. NBO - Um Novo Brasil Online começa aqui.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Japonês inventa tela de LED comparável a uma segunda pele

Publicado

em

000-1080hf

Uma tela ultrafina e flexível como uma bandagem que se pode colar na mão para receber, ou enviar mensagens. É a invenção de um acadêmico japonês, que sonha com que sua criação seja utilizada no campo da saúde.

O dispositivo, de um milímetro de espessura, permite ao paciente comunicar dados clínicos a seu médico a distância, explica o inventor, Takao Someya, professor da Universidade de Tóquio.

Colado na palma, ou no dorso da mão, o aparelho também pode servir para enviar mensagens aos pacientes para que não se esqueçam de tomar sua medicação, ou para permitir que as crianças se comuniquem com seus avós quando estiverem longe.

“Se você o coloca diretamente sobre a pele, tem a impressão de que faz parte do seu corpo. Quando alguém lhe envia mensagens à mão, isso o aproxima emocionalmente do remetente”, entusiasma-se Someya.

O acadêmico ressalta que sua invenção é particularmente útil em um Japão que envelhece, porque permite estabelecer uma vigilância contínua e não invasiva das pessoas idosas dependentes.

A imagem, ou as mensagens, aparecem em um painel de micro LED de 16 x 24 luzes conectadas entre si por cabos elásticos e encapsulados em uma folha de borracha. Conta também com um sensor ultraleve e um sistema de comunicação sem fio.

“Como o dispositivo é elástico, permite colar uma tela a coisas com superfícies complexas, como a pele”, ressalta o inventor.

Poderia ser utilizado também por esportistas para monitorar seu ritmo cardíaco, ou comprovar sua rota de corrida, ou por funcionários que poderiam receber instruções de trabalho em sua mão sem interromper sua atividade.

O aparelho poderia ser comercializado em uma janela de três anos.

Continue lendo

Tecnologia

WhatsApp: 140 mil pessoas clicaram em nova fraude

Publicado

em

img_3153

Uma mensagem informando sobre uma promoção da marca O Boticário está circulando pelo WhatsApp. Apesar de a imagem utilizada ser de uma promoção real, o link vinculado à mensagem se trata de uma fraude. Mais de 140 mil pessoas caíram no golpe, informa o DNFDR Lab, laboratório da PSafe que identificou a ameaça.

A campanha é verdadeira e promete o envio de uma amostra grátis de um dos produtos da linha Nativa Spa. Porém, ao se clicar no link e confirmar o interesse em receber a amostra, o usuário libera acesso ao hacker para enviar notificações futuras a partir de seu celular.

A mensagem pede que os participantes compartilhem a promoção. De acordo com a PSafe, o dia de maior intensidade de acessos no link fraudulento foi na sexta-feira (16). No entanto, a boa notícia é que o aplicativo  DFNDR Security identificou a fraude e bloqueou a ação.

 (WhatsApp/Reprodução)

 (WhatsApp/Reprodução)

 

Fonte: claudia

Continue lendo

Tecnologia

Overclockers do TecLab conseguem 1ª lugar global no benchmark Superposition

Publicado

em

16190201285472-t1200x480

A brincadeira ficou séria nesta semana no laboratório do TecLab. Os especialistas em hardware que já fizeram inúmeras conquistas em overclocking conseguiram mais uma façanha nesta sexta-feira: a primeira colocação no ranking global do benchmark Superposition.

Após realizar diversos testes inusitados com a nova placa de vídeo NVIDIA TITAN V, a equipe comandada por Ronaldo Buassali, acompanhados da equipe da Pichau, registrou nas redes sociais o feito que, após algum tempo, foi confirmado no site da Liga Mundial.

Hoje, o recorde de pontuação no Unigine Superposition 1080p Xtreme é de 11.803 pontos com uma única GPU. Para alcançar tal marca, o pessoal do TecLab levou a placa de vídeo ao extremo, configurando o chip gráfico para rodar a 2.122 MHz, enquanto a memória de vídeo foi configurada para o clock de 1.040 MHz.

Recorde do TecLab com TITAN V

Vale mencionar que o setup para tal pontuação não foi nada de outro mundo. Equipado com um Intel Core i7-8700K operando na frequência de 5,2 GHz (esta CPU chega normalmente aos 4,7 GHz, então estamos falando de 500 MHz de acréscimo) e 16 GB memória RAM DDR4 de 4.000 MHz, a equipe conseguiu finalizar o teste com sucesso e fazer o registro.

Uma curiosidade interessante é que esta marca foi alcançada com o driver 388.71 da NVIDIA, então não se trata da última versão do software. Conforme podemos ver na captura de tela no HWBOT, a temperatura da GPU ficou entre 1 e 19 graus Celsius, o que comprova a utilização de nitrogênio liquido para a refrigeração do chip gráfico.

 

Fonte: tecmundo

Continue lendo
Publicidade

+Vistos