conecte-se conosco

Notícias

As máscaras ajudam ou atrapalham na hora do exercício físico? – Portal RBN

Publicado

on


Pois bem, com a adoção do distanciamento social/físico a prática de atividade física foi reduzida, afinal, ambientes ao ar livre, quadras esportivas e academias, se tornaram temporariamente indisponíveis, embora seja recomendado continuar se exercitando dentro de casa, inclusive para fortalecer o sistema imunológico e reduzir o risco de contágio.

Com o passar dos meses, as medidas são revistas e os países vão retomando progressivamente as suas atividades e, mesmo com certa flexibilização, os especialistas advertem que deveremos nos acostumar com um “novo normal”, ou seja, ainda manteremos hábitos adotados durante a pandemia mesmo que haja a retomada dos serviços.

Desse modo, por mais que os espaços próprios para a prática de exercícios físicos reabram, será necessário o uso das máscaras como medida de proteção.

Sabendo disso, começamos a nos questionar:

  • A realização de exercícios físicos aumenta a nossa demanda de oxigênio e consequentemente respiramos mais vezes, certo? Será que o uso da máscara pode prejudicar a respiração?
  • Será que faço exercício com máscara ou sem?
  • Ainda, o exercício físico aumenta o calor corporal, e consequentemente a taxa de suor. Mas se aumenta o suor, não deixará a máscara molhada e perderá a sua eficiência na proteção contra o vírus?

Pois é, estas são algumas das perguntas que nos fazemos para entender como praticar exercício físico enquanto houver a necessidade do uso das máscaras.

Ainda é precoce afirmar algo a respeito, o que se sabe é que devemos seguir as diretrizes regionais, e utilizar a máscara se essa for a determinação governamental, embora isso possa prejudicar em algum nível a performance física.

Como sabemos que as nossas rotinas não serão as mesmas, ao menos de curto a médio prazo, e como a vida deverá continuar com o “novo normal”, é essencial que achemos uma solução para nos mantermos ativos fisicamente, sem colocar a própria saúde e a dos demais em risco.

Uma possibilidade é a utilização das máscaras desenvolvidas exclusivamente para o exercício físico, que já começaram a ser distribuídas e saberemos mais sobre a sua eficiência e conforto, em breve.

A companhia de artigos esportivos Under Armour lançou recentemente a primeira máscara específica para o exercício físico, apontada pela empresa como mais adaptável ao rosto e ao encaixe nas orelhas, desenvolvida com um tecido especial que favorece a ventilação, e uma camada intermediária projetada para absorver o suor sem que transpasse para a camada mais externa, com a promessa de uma máscara mais amigável e que desempenhe o seu principal papel, o de proteger contra o vírus.

Por enquanto, devemos continuar nos exercitando em casa, sempre que possível e caso esteja liberada a prática nos demais ambientes, seguir as recomendações e determinações das autoridades locais.

Autor: Rafael Luciano de Mello é professor dos cursos de Licenciatura e de Bacharelado em Educação Física do Centro Universitário Internacional Uninter.



Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bahia

exportações do agronegócio sobem 20,9% no 1º semestre

Publicado

on


A alta no preço das commodities (bens primários com cotação internacional) fez as exportações do agronegócio aumentar 20,9% no primeiro semestre de 2021 em relação ao ano passado, divulgou hoje (23) o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Em valores, as vendas subiram de US$ 50,9 bilhões para US$ 61,5 bilhões.

O principal destaque foi a soja, cujo valor exportado aumentou 25,3% nos seis primeiros meses do ano. O crescimento foi motivado pelo preço, que aumentou 27%. O volume exportado caiu 2,2% de janeiro a junho.

Outro produto que impulsionou as exportações do agronegócio foi a carne (bovina, suína e de frango). O valor exportado aumentou 25,3% no primeiro semestre, com a quantidade subindo 17,3%.

Com 39% do valor exportado, a China continua o principal destino das vendas do agronegócio brasileiro. Em seguida, vêm União Europeia (14,5%) e Estados Unidos (6,4%). Em relação ao primeiro semestre de 2020, os três mercados aumentaram as compras do agronegócio, com alta de 20,1% para a China, 16,5% para a União Europeia e 30,2% para os Estados Unidos.

Segundo o Ipea, a alta do preço das commodities agrícolas observada desde o segundo semestre do ano passado aumentou a atratividade para os exportadores. No entanto, os preços internacionais ainda estão abaixo das máximas históricas registradas no início da década de 2010.

De acordo com o órgão, o crescimento da demanda da China representa um dos principais fatores para a alta recente do preço das commodities. Apesar das compras pelo país asiático, os estoques domésticos de soja e de milho estão em queda. No caso da soja, nem a produção, nem os estoques internos atendem à demanda dos consumidores chineses.

A alta dos preços internacionais tem pressionado a inflação dos alimentos em todo o planeta. No Brasil, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) alcançou 0,72% em julho, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O indicador está no maior nível para o mês desde 2004. Os preços do grupo alimentação e bebidas subiram 0,49%.



Continue lendo

Bahia

Dólar fecha estável, mas acumula alta de 1,86% na semana

Publicado

on


A alta da inflação no Brasil fez o dólar fechar estável, após cair cerca de 1% durante a sessão. A bolsa de valores não acompanhou o mercado externo e fechou em baixa pela primeira vez após três altas consecutivas.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (23) vendido a R$ 5,211, com recuo de apenas 0,05%. A cotação começou o dia em queda, chegando a R$ 5,16 na mínima do dia, por volta das 12h. A partir daí, a volatilidade no mercado empurrou a moeda para cima, atingindo R$ 5,23 por volta das 16h. Nos minutos finais de negociação, o câmbio arrefeceu, fechando próximo da estabilidade.

A divisa acumulou alta de 1,86% na semana. A valorização chega a 4,77% em julho e soma 0,42% no acumulado de 2021.

O dia também foi marcado pela volatilidade no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou a sexta-feira aos 125.053 pontos, com queda de 0,87%. O indicador chegou a operar em alta nos primeiros minutos de negociação, mas caiu de forma consistente no restante do dia.

Esta foi a primeira queda da bolsa após três dias seguidos de ganhos. O indicador destoou das bolsas norte-americanas, que voltaram a bater recordes. Na semana, o Ibovespa acumula perda de 0,72%.

A divulgação de que a prévia da inflação acelerou em julho provocou instabilidade no mercado brasileiro. Neste mês, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) ficou em 0,72%, a maior variação para o mês desde 2004.

A alta da inflação aumenta a pressão para que o Banco Central eleve os juros em um ritmo maior que o das últimas reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom). Nos últimos encontros, a taxa Selic (juros básicos da economia) tem sido elevada em 0,75 ponto percentual. A próxima reunião do comitê ocorre em 3 e 4 de agosto.

A decisão do Banco Central da Rússia de aumentar os juros básicos em 1 ponto percentual diminuiu o interesse dos investidores pelo real brasileiro. Paralelamente, a expectativa com a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas) nos Estados Unidos no segundo trimestre e da inflação na economia norte-americana, prevista para a próxima semana, pressionou o mercado em países emergentes, como o Brasil.

*Com informações da Reuters

 



Continue lendo

Bahia

USP invalida matrícula de seis estudantes por fraude em cotas raciais

Publicado

on


O Conselho de Graduação da Universidade de São Paulo (USP) decidiu invalidar as matrículas de seis estudantes de graduação por fraude em cotas raciais no processo seletivo de ingresso na universidade, na última quinta-feira (22).

Segundo informou a USP, o conselho é a última instância de análise dos processos e os alunos envolvidos ainda poderão apresentar pedido de reconsideração. Se mesmo depois dos pedidos a decisão for mantida, os estudantes serão expulsos da universidade.

Além disso, a Pró-Reitoria de Graduação da universidade está investigando 193 denúncias de supostas fraudes na autodeclaração de pertencimento ao grupo PPI (pretos, pardos e indígenas) envolvendo estudantes que entraram na USP por meio da reserva de vagas, conforme informações da instituição.

As denúncias são referentes ao período de 2017 a 2021, sendo 161 relacionadas ao ingresso via Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e 32 à Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest). No período, foram recebidas 381 denúncias, mas 160 foram descartadas e 27 não tiveram andamento, porque os próprios alunos cancelaram a matrícula. Além disso, no ano passado, houve a invalidação de matrícula de um aluno do Instituto de Relações Internacionais (IRI) por fraudes racial e socioeconômica.

Denúncias

As denúncias sobre cotas são recebidas pela Pró-Reitoria de Graduação, que confere as informações da matrícula e a existência de indícios mínimos de materialidade. “São levados em conta os traços fenotípicos do aluno grupo PPI, como cor de pele, formato do nariz, cabelo e estrutura corporal”, informou a USP.

Depois de avaliados pela Pró-Reitoria, os casos são encaminhados às Comissões de Averiguação e de Invalidação de Matrículas. Cada comissão é formada por três docentes, sendo um deles necessariamente preto ou pardo.

Balanço

Neste ano, a USP teve índice recorde de 51,7% de alunos matriculados nos cursos de graduação vindos de escolas públicas. Dentre eles, 44,1% eram autodeclarados pretos, pardos e indígenas (PPI). Das 10.992 vagas preenchidas, ou seja 98,8% do total de vagas oferecidas em 2021, 5.678 são alunos de escolas públicas e, destes, 2.504 são PPI.

De acordo com a USP, ela adota a reserva de vagas para alunos de escolas públicas e autodeclarados PPI nos cursos de graduação desde o vestibular de 2016, quando o Sisu foi implementado como nova forma de ingresso na universidade, além da Fuvest.

Em 2018, o Conselho Universitário aprovou a reserva de vagas para estudantes vindos de escolas públicas, sendo que, nesta reserva, também incide o percentual de 37,5% de cotas para estudantes autodeclarados PPI. O índice equivale à proporção desses grupos no estado de São Paulo, segundo verificação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).



Continue lendo

Mais Vistos