conecte-se conosco

Notícias

A importância da terapia de casal em tempos de COVID-19 – Portal RBN

Publicado

on


Vivemos um momento difícil para os relacionamentos, por conta da pandemia do coronavírus, que alterou radicalmente a rotina das famílias. Home office, crianças em casa o tempo todo (já que as aulas presenciais estão suspensas), isolamento social, redução das atividades de lazer, acúmulo de tarefas, queda dos rendimentos, medo, incerteza quanto ao futuro, luto – tudo isso têm aumentado enormemente os conflitos entre casais. A busca de terapia, nesse cenário, tem um papel ainda mais importante. E a necessidade de manter a quarentena não é nenhum impeditivo, já que, além das sessões presenciais, a maioria dos terapeutas estão disponibilizando atendimentos online.

Porém, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre o que é uma “terapia de casal”, e acabam não procurando ajuda. O desconhecimento faz com que problemas que poderiam ser resolvidos se tornem barreiras intransponíveis, minando de vez um relacionamento.

Para quem ainda não me conhece, começo me apresentando: meu nome é Lelah Monteiro, sou psicoterapeuta sistêmica de casal e família, sexóloga e psicanalista. Tenho quase 30 anos de prática clínica. Sou casada há mais de 20 anos.

Com base nessa minha experiência, gostaria de esclarecer algumas dúvidas comuns sobre a terapia de casal.

Quando um casal deve procurar terapia?

Está errado pensar que o terapeuta de casal só deve ser procurado quando o desacerto entre o casal já está instalado. O ideal seria que, já no namoro e antes dos conflitos, o casal se preocupasse em ter um apoio para manter um relacionamento feliz e sadio. Sim, foi isso mesmo que você leu. Na terapia estabelecemos contratos de forma leve e divertida e não em forma DRs (as famosas “discussões da relação”), tão comuns quando as diferenças ficam evidentes.

Porém, o que comumente ocorre é que os casais só buscam ajuda quando o barco já virou. Quando o respeito e a cumplicidade já não fazem mais parte da dinâmica do casal, embora, em muitos casos ele ainda se ame.

Então, está pensando em morar junto ou casar? Use a terapia para ouvir o outro, se ouvir e, assim, iniciar uma vida nova com todos os “pingos nos is”.

Qual o papel do terapeuta de casal?

O papel do terapeuta é intermediar, de forma imparcial, a conversa do casal, estimulando as duas partes a se expressarem com mais efetividade. Assim são estabelecidos parâmetros de respeito às necessidades de cada um dentro da relação.

A comunicação é a base da terapia conjugal. Leia de novo a frase anterior e não esqueça: a comunicação é a base da terapia conjugal. O casal deve aprender a usá-la de forma objetiva, clara, amorosa, sem levantar a voz, sem repentes, sem acusações ou cobranças. Cabe ao terapeuta conduzir o casal para esse nível de interação.

É um processo difícil?

Sim, para mim, a terapia de casal é a terapia mais trabalhosa.  O terapeuta tem que ter muita sensibilidade e muita sabedoria para conduzi-la.

Os resultados são via de regra muito promissores quando o casal de fato quer melhorar a relação. Não é uma terapia longa, porém nada se resolve num passe de mágica. Mas, se as partes envolvidas realmente quiserem resgatar seu relacionamento, é possível fazê-lo através da terapia presencial ou online. E vale muito à pena.

Quais são as queixas mais comuns na terapia de casal?

Os aspectos mais comuns que levam um casal à terapia são:

  • infidelidade;
  • ciúmes;
  • excesso de cobrança e controle;
  • acirramento das diferenças e das discussões que dela resultam;
  • discordância na forma de educar os filhos;
  • dificuldade no relacionamento com enteados;
  • desequilíbrio financeiro;
  • problemas com familiares
  • dificuldades sexuais como: diminuição da frequência sexual, falta de desejo, dificuldade de chegar ao orgasmo;
  • rotina;
  • desgaste e falta de compatibilidade após anos de união.

A terapia trata também das questões sexuais do casal?

Sim, muitos casais me procuram para melhorar seu desempenho sexual. Embora exista amor entre eles, nem sempre a química na cama é boa. Há casos em que, após alguns anos de matrimônio, a frequência sexual diminui, há um descompasso entre o desejo de um e de outro. Em outras situações, o casal não tinha experiência sexual antes do casamento e não consegue se realizar sexualmente. A chegada dos filhos, o excesso de trabalho, as crises financeiras, e o estresse também são fatores que mudam a dinâmica do relacionamento, e refletem na qualidade do sexo. São muitas e complexas as questões que levam os casais para o divã, mas o importante é que eles as reconheçam e tomem a decisão de enfrentá-las.

Tenho orgulho de ter conduzido muito mais recomeços do que separações. Sim, porque a separação também faz parte também do contexto da terapia. É fundamental buscar ajuda também quando a decisão é pelo rompimento.

Lembram que mencionei que também sou terapeuta de família? Então: a dissolução de uma união envolve muitas questões, além do próprio casal: filhos, pets, patrimônio… É uma “sociedade” que está sendo desfeita e merece uma condução harmoniosa e com o mínimo de danos para todos os envolvidos.

Quais são os requisitos para uma terapia ser bem sucedida?

O compromisso de ambas as partes na terapia e a mudança de hábitos e padrões é fundamental para alcançar os resultados desejados. É preciso haver honestidade e empenho nesta reconstrução.

O que não significa que, em determinados casos, não sejam recomendadas sessões em separado. Na terapia de casal, ajustamos a dinâmica do relacionamento, não as questões individuais. Alguns casais finalizam a sessão com sucesso e retornam depois de algum tempo para melhorar essas questões de forma pontual.

Não custa lembrar que o sigilo profissional é a premissa de todas as terapias. Além disso é importante que as questões do casal sejam tratadas somente no consultório. Nada de expor o parceiro em conversas com familiares ou amigos.

E se houver resistência de uma das partes à terapia?

É comum um dos cônjuges resistir à terapia, acreditar que tudo “é uma fase”, e que os problemas com o tempo se resolverão sozinhos. Este é um dos grandes erros que os casais cometem. Como já disse anteriormente, com o tempo as questões pequenas ficam gigantes e o desgaste se torna inevitável.

Ah, e não caiam no erro de substituir a terapia por uma viagem a dois, por acessórios para apimentar a relação, por uma mudança de casa ou por ter filhos. Nada disso ajudará a resolver a situação.

Terapia de casal é muito cara?

Agora eu que te pergunto: o que é mais caro – um divórcio, uma vida infeliz, desentendimentos frequentes, ou uma terapia?

 

> Foto créditos: Carolina Morales

Quem é Lelah Monteiro
Sexóloga, psicanalista e fisioterapeuta. Atua em seu consultório em Perdizes (São Paulo, SP) como educadora sexual; terapeuta de casais, de família e sexual. Especialista na área de violência, abuso e exploração sexual. Hipnóloga clínica voltada para o cuidado de disfunções sexuais e fobias. Palestrante, aborda de maneira leve e acessível temas considerados muitas vezes como tabus, envolvendo:
– sexualidade e deficiência (física, sensorial, intelectual);
– sexualidade no câncer (e outras doenças);
– sexualidade na maturidade;
entre outros.
No mundo corporativo, desenvolve palestras; workshops; atividades, dinâmicas e jogos para Sipats abordando temas como sexualidade, assédio moral e sexual, inteligência afetiva e emocional no ambiente de trabalho etc.
Colunista e colaboradora de revistas, programas de rádio e TV com pautas relacionadas a comportamento, relacionamento, saúde, qualidade de vida e sexualidade. Teve, por vários anos quadros fixos sobre comportamento e sexualidade na ABC Radio FM 89.2 (“Papo Reto com Lelah Monteiro”) e na Rádio Globo SP  (dentro dos programas Manhã da Globo e Toda Noite SP).

Serviço
Lelah Monteiro – Consultório
Rua Turiassu, 591 – cj 62 – Perdizes
05005-001 – São Paulo  – SP
Whatsapp: (11) 99996-3051
e-mail: contato@lelahmonteiro.com.br
Site: www.lelahmonteiro.com.br
Canal Youtube: https://www.youtube.com/lelahmonteiro
Facebook: https://www.facebook.com/fisioterapia.lelah.monteiro/
Instagram: https://www.instagram.com/lelahmonteirooficial/
LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/lelah-monteiro-54042424/





Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Internacional

Corte determina julgamento de Airbus e Air France por acidente aéreo

Publicado

on


A Air France e a Airbus irão a julgamento por causa do acidente em um voo entre o Rio de Janeiro e Paris, em 2009, que matou 228 pessoas. A decisão foi tomada por um tribunal de apelações em Paris nesta quarta-feira (12).

A medida reverte uma decisão de 2019, de não apresentar acusações contra nenhuma das empresas em reação à tragédia, na qual os pilotos perderam o controle do Airbus A330 depois que o gelo bloqueou sensores da aeronave.

A Airbus e a Air France disseram hoje que planejam apelar da sentença em uma instância superior.

“A decisão do tribunal, que acaba de ser anunciada, não reflete de maneira nenhuma as conclusões da investigação”, disse a Airbus em comunicado divulgado por e-mail.

A Air France “insiste que não cometeu nenhum erro criminoso no cerne deste acidente trágico”, disse um porta-voz da companhia aérea, parte do grupo Air France-KLM.

O voo Air France AF447, do Rio de Janeiro a Paris, caiu no dia 1º de junho de 2009, matando todos a bordo.

Investigadores franceses descobriram que a tripulação não lidou corretamente com as leituras de perda de velocidade de sensores, bloqueados por gelo, e causou estol (perda de sustentação) ao manter o nariz da aeronave alto demais.



Continue lendo

Internacional

Comissão da OMS faz recomendações para evitar próxima pandemia

Publicado

on


Um novo sistema global transparente deveria ser criado para apurar surtos de doenças, habilitando a Organização Mundial da Saúde (OMS) a enviar pesquisadores com pouca antecedência e revelar suas descobertas, disse uma comissão de estudo da pandemia de covid-19 nesta quarta-feira (12).

A OMS deveria ter declarado o novo surto de covid-19 na China uma emergência internacional antes de 30 de janeiro de 2020, mas o mês seguinte foi “perdido” porque os países não adotaram medidas fortes para deter a disseminação do vírus, disse a comissão.

Em um grande relatório sobre a reação à pandemia, ospecialistas independentes pediram reformas ousadas na OMS e uma revitalização dos planos de prontidão nacional para evitar outro “coquetel tóxico”.

“É essencial ter uma OMS empoderada”, disse Helen Clark, copresidente da comissão e ex-primeira-ministra da Nova Zelândia, à imprensa no lançamento do relatório “Covid-19: façam dela a última pandemia”.

Ellen Johnson Sirleaf, também copresidente do grupo e ex-presidente da Libéria, disse: “Estamos pedindo um novo sistema de vigilância e alerta que se baseie na transparência e permita à OMS publicar informações imediatamente”.

Ministros da Saúde debaterão as conclusões na abertura da assembleia anual da OMS, em 24 de maio. Diplomatas dizem que a União Europeia está estimulando os esforços de reforma da agência da Organização das Nações Unidas (ONU), o que exigirá tempo.

Segundo o relatório, permitiu-se que o vírus SARS-CoV-2, que surgiu na cidade chinesa de Wuhan no fim de 2019, se transformasse em uma “pandemia catastrófica” que já matou mais de 3,4 milhões de pessoas e devastou a economia mundial.

“A situação na qual nos encontramos hoje poderia ter sido evitada”, disse Johnson Sirleaf. “Ela se deve a uma série de erros, lacunas e atrasos na prontidão e na reação.”

Médicos chineses relataram casos de pneumonia atípicas em dezembro de 2019 e informaram as autoridades. A OMS recebeu relatos do Centro de Controle e Prevenção de Doenças de Taiwan e outros, disse a comissão.

De acordo com o relatório, o Comitê da OMS deveria ter declarado emergência de saúde internacional em sua primeira reunião de 22 de janeiro, em vez de esperar até 30 de janeiro.

O comitê não recomendou restrições de viagens devido aos regulamentos internacionais de Saúde da OMS, que precisam ser reformulado, segundo o documento.



Continue lendo

Internacional

Latinos viajam aos Estados Unidos em busca de imunização

Publicado

on


Cidade do México e Lima – Um anúncio de uma agência de viagens oferece promoções para que mexicanos viajem aos Estados Unidos (EUA) a fim de receber a vacina contra a covid-19. “Quer a vacina contra a covid-19? Tem um visto para entrar nos Estados Unidos? Entre em contato com a gente”, diz o anúncio. 

Do México até a Argentina, milhares de latino-americanos estão reservando voos para os Estados Unidos a fim de se beneficiar de uma das mais bem-sucedidas campanhas de vacinação do mundo, enquanto o andamento da vacinação em seus países caminha lentamente. 

A América Latina é uma das regiões mais afetadas pela pandemia de covid-19, com o número de mortos próximo de superar 1 milhão neste mês, e muitos não querem esperar tanto por sua vez na fila da vacina.

Algumas pessoas estão fazendo os trâmites sozinhas, enquanto outras utilizam agências de viagem, que responderam oferecendo pacotes que disponibilizam um compromisso para a vacinação, voos, estadia em hotel e até alguns extras como passeios pela cidade e tours de compras.

Glória Sánchez, de 66 anos, e seu marido, Angel Menendez, de 69, viajaram no final de abril para Las Vegas, com o objetivo de tomar a dose única da vacina da Johnson & Johnson’s.

“Nós não confiamos nos serviços de saúde pública neste país”, disse Sánchez, agora de volta ao México. “Se não tivéssemos viajado para os Estados Unidos, onde eu me senti um pouco mais confortável, eu não teria me vacinado aqui”.

Um agente de viagens na Cidade do México organizou a viagem e um associado em Las Vegas conduziu o processo no lado norte-americano, disse Sánchez. 

O associado nos Estados Unidos arranjou um horário para que eles fossem vacinados, e então os conduziu a um centro de convenções em Las Vegas, onde apresentaram seus passaportes mexicanos e receberam as doses.

“Decidimos transformar a viagem em um passeio de férias e ficamos por uma semana, andamos como loucos, comemos uma comida muito cara, porém boa, e também fizemos compras”, disse. 

Enquanto a demanda dispara, os preços de voos do México para os Estados Unidos cresceram em média de 30% a 40% desde meados de março, disse Rey Sanchez, que dirige a agência de viagens RSC Travel World. 

“Há milhares de mexicanos e milhares de latino-americanos que foram para os Estados Unidos se vacinar”, disse o agente de viagens, acrescentando que os principais destinos têm sido Houston, Dallas, Miami e Las Vegas.

A Reuters não conseguiu encontrar dados oficiais sobre o número de latino-americanos que estão viajando aos EUA em busca de vacina. Os viajantes normalmente não declaram “vacinação” como motivo para a viagem.

A Embaixada dos Estados Unidos no Peru informou recentemente no Twitter que as pessoas podem visitar os EUA para tratamento médico, incluindo vacinas.

Na Argentina, um anúncio em Buenos Aires detalha o custo estimado para se vacinar em Miami: passagem aérea US$ 2 mil, hotel por uma semana US$ 550, comida US$ 350, aluguel de carro US$ 500, vacina US$ 0, totalizando cerca US$ 3.400.

Os latino-americanos que viajaram com visto de turista aos EUA, com quem a Reuters falou, disseram que conseguiram ser vacinados com documentos de identidade de seus países de origem.

* Com informações de Anthony Esposito, Cassandra Garrison e Marco Aquino – Repórteres da Reuters



Continue lendo

Mais Vistos