conecte-se conosco

Saúde

IVI Salvador apresenta 2 trabalhos no maior congresso de medicina reprodutiva da Europa

Publicado

on


Em tempos de pandemia, o maior congresso europeu dedicado à área de medicina reprodutiva também se adaptou. O encontro da ESHRE – European Society of Human Reprotuction and Embriology, realizado na última semana, foi online e reuniu 7800 especialistas de todo o mundo. O Grupo IVI, que mantém uma unidade em Salvador, foi um dos destaques do congresso, tendo apresentado mais de 50 trabalhos, sendo 2 gerados pela IVI Salvador.
Em 2020, a ESHRE chegou à sua 36ª edição e a opção por realizar online foi um ajuste para seguir com seu ideal, de trazer para o cenário da medicina, importantes estudos e descobertas que podem fazer a diferença na vida de muitos casais, homens e mulheres em busca da realização de seus sonhos.
“Um dos pilares da clínica IVI Salvador é investir em pesquisa e inovação. Nós, assim como todas as clínicas do grupo espalhadas pelo mundo, buscamos soluções para melhorar a cada dia a nossa atuação. Por isso, é que colhemos dia após dia, taxas mais crescentes de sucesso nos tratamentos que realizamos”, explica a Diretora Médica do IVI Salvador, Dra. Genevieve Coelho. O avanço nas pesquisas da medicina reprodutiva por parte do Grupo IVI já ajudou mais de 200.000 crianças a nascer ao redor do mundo.
Os especialistas da clínica IVI Salvador apresentaram dois trabalhos durante os dias de reunião online. Um deles foi sobre “Desenvolvimento embrionário e avaliação citogenética de zigotos que se apresentaram apronucleados após 18 a 20 horas de fertilização in vitro” e o outro “Avaliação da relação entre o valor do DNA mitocondrial e a qualidade dos embriões euplóides”.
A marca de 52 trabalhos apresentados em 2020 mostra que o investimento em pesquisa vem sendo mesmo uma prioridade do Grupo IVI, que ao longo dos anos, vem expandindo a sua presença dentro do congresso. Em 2019, na edição de Viena, haviam sido 49 trabalhos. Do total deste ano, foram 22 exposições orais e outros 30 painéis. Investir em pesquisa é prioridade do IVI. O grupo tem mais de 1900 publicações científicas e desenvolve 15 linhas de pesquisa.

ESHRE

O congresso originalmente seria na Dinamarca esse ano, caso a pandemia não fosse uma realidade. Mesmo tendo sido realizada em versão virtual, a reunião contou com números bastante expressivos. No total, foram 74 sessões, com 261 comunicações orais, 53 palestras de convidados e 810 painéis com os estudos mais recentes.

Sobre o IVI – RMANJ

IVI nasceu em 1990 como a primeira instituição médica em Espanha especializada inteiramente em reprodução humana. Desde então, ajudou a criar mais de 200.000 crianças, graças à aplicação das mais recentes tecnologias em Reprodução Assistida. No início de 2017, a IVI fundiu-se com a RMANJ, tornando-se o maior grupo de Reprodução Assistida do mundo. Atualmente tem 60 clínicas em 9 países e é líder em Medicina Reprodutiva. Em 2020, a unidade IVI Salvador completa 10 anos. https://ivi.es/ – http://www.rmanj.com/



Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

São Paulo inicia estudos para monitorar chegada de variante indiana

Publicado

on


A cidade de São Paulo iniciou, há três semanas, estudos para monitorar quais variantes do novo coronavírus estão circulando na capital. A preocupação da Secretaria Municipal da Saúde é, principalmente, com a variante indiana, que vem provocando aumento no número de casos na Índia. 

Em coletiva na manhã de hoje (18), o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, disse que a ação tem o objetivo de preparar a capital com antecedência para a chegada da variante indiana. O monitoramento está sendo feito em conjunto com o Instituto Butantan. 

“Há três semanas, a secretaria municipal de Saúde e o Instituto Butantan iniciaram estudos de novas variantes na capital para que possamos nos preparar e detectar as variantes que estão circulando na cidade. Já fizemos coletas de testes sorológicos que estão sendo agora estudados pelo Instituto Butantan”, disse o secretário. “A cidade está se antecipando para, caso isso aconteça, medidas sanitárias sejam tomadas.”

A expectativa é que em até 20 dias os resultados do monitoramento sejam apresentados. 

“O trabalho da Vigilância Genômica está sendo feito pela prefeitura de São Paulo para se antecipar. É uma ação conjunta com o Instituto Butantan, que analisa os testes para ver se existe ou não a presença de novas variantes do vírus na cidade. Até o presente momento, a variante indiana não foi encontrada na cidade”, afirmou o prefeito Ricardo Nunes.

Um estudo feito em março deste ano, durante o pico da segunda onda da pandemia, mostrou que 65% dos casos de covid-19 detectados na capital tinham predominância da variante brasileira P1, que surgiu em Manaus.

Variante Indiana

Casos da variante indiana já foram identificados na Argentina. Recentemente, um navio foi isolado no Maranhão, após um passageiro indiano apresentar resultado positivo para a covid-19. A preocupação é que este pode ser o primeiro caso da variante B.1.617 [ a variante indiana] no Brasil.

Segundo a secretaria estadual de Saúde no Maranhão, uma equipe técnica inspecionou o navio no domingo e coletou amostras para diagnóstico de covid-19 e investigação epidemiológica. A secretaria informou que as amostras foram enviadas ao Laboratório Central de Saúde Pública do Maranhão e para o Instituto Evandro Chagas, em Belém, que fará o sequenciamento genômico. 

A secretaria informou que toda a tripulação foi colocada em quarentena e isolada em cabines individuais na embarcação. Os resultados desses testes ainda não foram informados. 



Continue lendo

Saúde

Covid-19: SP começa a vacinar profissionais de saúde autônomos

Publicado

on


Profissionais de saúde autônomos, com mais de 30 anos de idade, começam a ser vacinados contra a covid-19 a partir de hoje (18) na cidade de São Paulo. A estimativa é aplicar 50 mil doses nesse público alvo.

Segundo a prefeitura, essa vacinação está disponível nas 468 unidades básicas de saúde (UBSs), em oito mega postos, postos volantes, além de assistências médicas ambulatoriais (AMA/UBS) integradas.

Para a primeira dose, serão utilizados os imunizantes da Pfizer e da Oxford/AstraZeneca. No entanto, caso algum desses profissionais já tenha tomado a primeira dose com a CoronaVac, pode agora procurar uma UBS para receber a segunda dose do mesmo imunizante.

O intervalo entre as aplicações da primeira e segunda doses das vacinas Pfizer e Oxford/AstraZeneca é de 12 semanas. Já a CoronaVac está sendo aplicada com intervalo de 28 dias.

Para tomar a vacina, os profissionais de saúde precisam apresentar documento do Conselho de Classe ou comprovante de profissão (certificado ou diploma) e também um comprovante de residência na cidade de São Paulo.

Segundo a prefeitura, serão priorizados médicos, enfermeiros/técnicos auxiliares, nutricionistas, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, biólogos, biomédicos, técnicos de laboratório que façam coleta de exames ou análise de amostra para o novo coronavírus, farmacêuticos, técnicos de farmácia, odontólogos, auxiliares de saúde bucal, técnicos de saúde bucal, fonoaudiólogos, psicólogos, assistentes sociais, profissionais de educação física e médicos veterinários.

Para agilizar a vacinação, a secretaria municipal de Saúde solicita que as pessoas preencham um pré-cadastro no site Vacina Já antes de tomar a vacina.

Mais informações sobre a campanha de vacinação na cidade de São Paulo, inclusive a relação de postos de vacinação, podem ser encontradas no site da prefeitura.

Comorbidades e deficiência permanente

Em entrevista na manhã de hoje (18), o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, informou que a vacinação de pessoas acima de 45 anos com comorbidades está prevista para ter início na próxima sexta-feira (21), na cidade de São Paulo.

Nesse mesmo dia, segundo ele, terá início a campanha de vacinação contra a covid-19 para pessoas com deficiência permanente que estão no programa de benefício de prestação continuada (BPC) e que também tem acima de 45 anos.

Na relação de comorbidades definidas pelo Ministério da Saúde estão:

Lista de comorbidades.

Arte/Agência Brasil

 

 



Continue lendo

Saúde

Saúde diz que já distribuiu 90 milhões de doses de vacina contra covid

Publicado

on


O Brasil atingiu hoje (18) a marca de 90 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 distribuídas no país, informou o Ministério da Saúde em mensagem no Twitter.

Segundo a pasta, no período entre a última quinta-feira (13) e esta quarta-feira (19), o total é de 13 milhões de doses de vacinas distribuídas aos estados e municípios. Destas doses, 8,3 milhões são da AstraZeneca; 4 milhões, da CoronaVac e 647 mil,da Pfizer.

De posse das vacinas, os estados são os responsáveis pela divisão e entrega dos lotes aos municípios.De acordo com o Ministério da Saúde, já foram enviadas doses para vacinação de 15 dos 28 grupos prioritários estabelecidos pelo Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO). Até agora, mais de 53,6 milhões de doses foram aplicadas.

Produção

A produção de imunizantes contra a covid-19 no país, contudo, tem sofrido com a falta de ingrediente farmacêutico ativo (IFA).

Ontem (17), o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fundação Oswaldo Cruz (Bio-Manguinhos/Fiocruz) informou que deve receber no próximo sábado (22) uma nova remessa de IFA para a produção de vacinas contra a covid-19.

Os carregamentos do insumo são importados da China, onde são produzidos pela Wuxi Biologics. Após a próxima entrega, está prevista para o dia 29 deste mês a chegada de mais uma remessa.

Com o desembarque dos dois carregamentos de IFA no Brasil, a Fiocruz afirma que estará garantida a entrega de vacinas ao Programa Nacional de Imunizações nas três primeiras semanas de junho.

Já o Instituto Butantan informou que um carregamento de matéria-prima para a CoronaVac chegará ao Brasil no próximo dia 26 de maio.

A produção de vacinas contra a covid-19 no Butantan está paralisada  desde a última sexta-feira (14) por falta de insumos. Segundo o instituto, está prevista a chegada de um lote com 4 mil litros de IFA, suficientes para a produção de 7 milhões de doses da vacina contra covid-19.

De acordo com a instituição, a falta de matéria-prima ocorreu por problemas burocráticos, provocados por declarações de membros do governo brasileiro sobre a China.





Continue lendo

Mais Vistos