conecte-se conosco

Entretenimento

Os editores de livros e escritores serão substituídos por robôs?

Publicado

on


Shelley escreve contos de terror. Aliás, já criou mais de 140 mil histórias do gênero, que foram publicadas em um fórum do Reddit. Entretanto, ela não é uma escritora no estrito sentido da palavra. Em homenagem a Mary Shelley, autora do clássico Frankenstein, profissionais do Laboratório de Mídia do MIT — os pós-doutores Pinar Yanardag e Manuel Cebrian sob orientação do professor doutor Iyad Rahwan — criaram uma inteligência artificial capaz de escrever textos com certa proficiência. A notícia dos êxitos literários de Shelley não é recente. Ano após ano, vemos redes neurais desenvolvendo atividades tipicamente humanas. Em 2019, a editora inglesa Springer Nature lançou o primeiro livro escrito por inteligência artificial; a obra fornece uma visão geral das pesquisas mais recentes sobre baterias de íons de lítio. Será, então, que a criatura está superando o criador? Até que ponto as profissões de editor e autor estão ameaçadas pela máquina?

Antes de responder às questões, gostaria de falar sobre algo que me é cotidiano. Ser editor de livros é buscar as respostas que o autor nem sequer pensou que podiam ser dúvidas; é ajudá-lo a se libertar de ideias e conceitos que só têm respaldo, muitas vezes, no senso comum; é ampliar as possibilidades da obra, tornando-a mais acessível e compreensível. É questionar certezas frágeis, argumentos rotos, que se perdem na primeira reflexão do leitor. Há a tendência, principalmente na cultura nacional, de imaginar que os livros nascem prontos, com um enredo indefectível, no qual o autor optou pelo narrador adequado, e o caminho entre o início e o fim está bem traçado, sem ajustes, à prova do crivo da razão. Mas não é bem assim.

Como as pessoas, os livros também vão se moldando durante a jornada, enveredando por novos caminhos, suscetíveis ao próprio livre-arbítrio. E, antes que alguém diga o contrário, não. O editor de livros não é um censor, ele é um profissional que desenvolveu um olhar aguçado, crítico, mas amoroso, pois entende que está diante da criação de outrem e deseja apenas destacar os pontos fortes da narrativa, propondo mudanças, às vezes estruturais ou apenas pontuais, mas sem intenção de descaracterizar a obra. A voz do autor deve ser sempre respeitada. Aliás, essa voz dos escritores nos transporta para diferentes lugares; desperta nossa capacidade de abstrair; torna o conhecimento algo que pode ser compartilhado por pessoas de diferentes culturas. Escrever é uma nobre arte, algo essencialmente humano.

Diante de um mundo tecnológico — e com máquinas lançando livros — não é difícil chegarmos à conclusão de que tudo pode ser automatizado. Ledo engano. Algumas profissões sempre necessitarão do olhar humano, que máquina alguma é capaz de substituir. Os editores e autores pertencem a essa categoria. Sagazes, esses profissionais dão alma a uma boa história, fazem um best-seller acontecer.

Um bom livro — fruto do trabalho e talento do escritor e do editor — proporciona emoção, paixão, conhecimento, drama, reflexão. São tantas sensações singulares. Ao abrir um livro, parece que o leitor está diante de uma janela, por onde pode observar o mundo. Aos poucos, com uma dose de coragem e curiosidade, ele se debruça na janela. E, quando percebe, já está com o corpo todo para fora, prestes a se atirar. Não há volta. O mundo do lado de dentro até pode ser mais seguro, mas não é tão fascinante. Então, qual é o papel do editor e do autor? Criar boas narrativas e fazer a manutenção dessa “janela”, checar as dobradiças, a solidez da estrutura, assegurar que o leitor terá uma experiência única.

Será que a inteligência artificial pode substituir esse fator humano essencial à criação de um produto cultural que desperte nossas emoções? Da minha parte, não acredito nisso. E não estou sozinha nessa crença. O romancista de ficção cientista, Satoshi Hase, esteve na banca de um prêmio literário japonês, cujo regulamento permitiu a inscrição de obras idealizadas por máquinas; dos 1.450 livros inscritos, 11 foram redigidos por um programa. Segundo ele, ainda que os romances “escritos por máquinas” fossem bem estruturados, as descrições dos personagens deixaram a desejar. Aliás, esse é um problema que um editor de carne e osso pode, naturalmente, apontar, sugerir e auxiliar o autor humano a solucionar.

 | Tânia Lins é formada em Administração de Empresas e pós-graduada em Língua Portuguesa, Comunicação Empresarial e Institucional e Jornalismo Digital. Atua há mais de dez anos na área editorial, com experiência profissional e acadêmica voltada à edição, preparação e revisão de obras, gerenciamento de produção editorial, leitura crítica e coaching literária. Atualmente é coordenadora editorial na Editora Vida & Consciência.

Advertisement. Scroll to continue reading.



Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entretenimento

Aninha Portal levanta a voz contra o Feminicídio em seu novo clipe “Marias”

Publicado

on


Aninha Portal segue a todo vapor nesta pandemia, a cantora lançou recentemente o single e clipe “Marias” no seu canal do Youtube e também em todas as plataformas digitais.  O single é a segunda faixa do EP ” Tempo de Realizar” produzido por Beto Kavaketta. No clipe, Aninha ressalta a  importância da denúncia no caso de violência contra as mulheres .

Não há mais espaço dentro da sociedade de nos calarmos diante das agressões sofridas, é preciso pedir socorro sem medo de denunciar, além da importância da união feminina. É preciso meter a colher sim! Afinal…

MARIA SOU EU… SÃO VOCÊS… SOMOS NÓS !

     Segundo a Rede de Observatório da Segurança, o ano de 2020 foi marcado por mortes de cinco mulheres por dia e a violência contra a mulher, o que inclui o feminicídio, configurando assim, a terceira posição do ranking de eventos monitorados pela Rede. Entre os mais de 18 mil eventos relacionados à segurança pública e a violência, 1.823 se referem aos crimes de gênero contra a mulher.    

             De autoria de Vagner Almeida, Marcio Alexandre e Marcelinho Moreira, o samba fala da diversidade da condição feminina, das desigualdades sociais de classe e de raça. Para a cantora, gravar o clipe foi uma experiência única.

Acompanhe a cantora nas Redes Sociais

Inscreva-se!

Youtube

Aninha Portal

https://www.youtube.com/channel/UCpp3HAcUo5HnolAtkd2SZZg

Facebook

Aninha Portal

https://www.facebook.com/aninhaportaloficial

Instagram

@portalaninha

https://www.instagram.com/portalaninha/





Continue lendo

Entretenimento

“Taquetá Vol.1” reúne vozes da Nova MPB em EP com Rodrigo Alarcon, Ana Müller e Mariana Froes

Publicado

on


Três vozes distintas, mas complementares da Nova MPB se reuniram para o projeto inédito do selo Taquetá, do qual ambos fazem parte. A capixaba Ana Müller, a goiana Mariana Froes e o paulista Rodrigo Alarcon lançaram, na última sexta-feira, dia 14, o EP “Taquetá Vol.1”, que traz cinco faixas em parceria.

Com produção musical de Niela Moura, o trabalho carrega referências  da música brasileira dos anos 50 e 60, em um resgate ao clássico da MPB, com composições assinadas por Ana e Alarcon, em parceria com a produtora. Três faixas foram lançadas previamente: “Carta Que Não Diz”, “Passageiro” e  “Enquanto A Chuva Não Vem”, que se unem às inéditas “Às Vezes Bate Uma Saudade” e “Segunda”.

“Este projeto é uma explosão artística que transbordou da Taquetá. As coisas aconteceram de forma muito natural. Eu estava me reconectando com os estudos de harmonia e arranjo de música brasileira, consumindo muito tudo aquilo que me brilhava os olhos na época da minha faculdade de música. Entre uma gravação e outra, Ana, Rodrigo e eu nos sentamos numa noite e levantamos três músicas lindas, que contemplavam muito desse universo. Foi aí que tive a ideia de fazer um projeto inédito que soasse diferente de tudo que eles já fizeram até então”, comenta Niela.

Já Alarcon conta que o projeto revisita relações familiares por suas referências musicais com as avós: “Sinto muito orgulho desse trabalho, ainda mais por minhas duas avós terem me apresentado grande parte dos gêneros musicais que estão neste EP. Elas foram muito importantes na minha formação musical e acho muito massa lançar esse trabalho com uma roupagem que traz esse resgate. Me sinto parte porque faz sentido para minha história”.

Para Ana Müller, o projeto foi um desafio como artista e compositora ao sair de sua zona de conforto. “Nós não fazemos muito as coisas sob demanda, a partir de uma vontade que surge, que não tem hora. E fazer ‘Taquetá Vol. 1’ nascer nos fez exercitar a criação sob outra perspectiva”.

Mariana Froes, que completou 18 anos recentemente, também participou dos processos de gravação e entregou fortes vocais nas faixas, como em “Carta Que Não Diz”. “Me sinto extremamente honrada de fazer parte desse projeto incrível com artistas e criadores que eu admiro tanto. Sinto que todo o trabalho e a conexão que cultivamos durante o processo de criação do EP nos rendeu frutos mágicos. Mesmo com a exaustão dos dias que ficamos das 14h às 00h no estúdio, me senti muito leve e realizada e só tenho a agradecer às pessoas que fizeram tudo acontecer”, finaliza.

O EP “Taquetá Vol. 1” impulsiona a parceria do selo com os três artistas e já está disponível em todas as plataformas digitais:https://ingroov.es/taqueta-vol-1

 

Ficha Técnica: 

Produzido por Niela Moura

Everson Bastos – Piano

Bruno Rejan – Contrabaixo Acústico

Lucas Tomé – Bateria

Braz Torres – Eng. Áudio, Mixagem e Masterização

 

Acompanhe o projeto:

https://www.instagram.com/froesmari/

https://www.instagram.com/rodrigoalarconoficial/

https://www.instagram.com/real.anamuller/

https://www.instagram.com/taquetamusica/





Continue lendo

Entretenimento

Quilombo musical Ybytu-Emi lança álbum “O Tempo e o Vento”

Publicado

on


Com discurso político-artístico afro indígena, projeto é uma realização do Aldeia Coletivo e da produtora musical AquaHertz Beats

Em mais de cinco séculos de apropriação de Pindorama, resistir é o verbo imperativo usado por povos negros e indígenas e está excessivamente presente no nosso cotidiano. É nesse levante musical, com um grito rasgado, que o Aldeia Coletivo e a produtora musical Aquahertz Beats lançam Ybytu-Emi – O Tempo e o Vento, álbum futurístico composto por corpos quilombos advindos da cena musical “marginal” soteropolitana e baiana, disponível nas plataformas digitais Spotify, Deezer, Amazon e Youtube.

Ybytu-Emi é um desejo de reconstrução do sentimento de brasilidade; reconta uma história que não foi registrada, mas está em nós. Concebido pelos artistas músico-performers Caboclo de Cobre e ISSA – que assinam a direção artística e musical, respectivamente -, o álbum com nove canções exalta evidencia, salvaguarda e difundede forma justa a voz indígena, do negro banto e jeje-nagô, do sertanejo, das rezadeiras, benzedeiras, parteiras, a voz ao encanto.

Esta obra é ponto de convergência entre tradição e contemporaneidade, ancestral e hi-teck, popular e ritualístico, eletrônico e sagrado, sintético e orgânico, ciência-histórico-acadêmica e ciência-histórico-oral. Ybytu-emi é um grito rasgado, um sopro da história brasileira e de muitos espalhados por este chão. “Somos a tentativa de escuta de um coração brasileiro, uma outra narrativa, o entendimento de uma outra forma de vida, somos a construção de novos sonhos. Talvez um teatro épico musicado, uma obra do agora, exaltando os que se foram e fortalecendo os que estão vivos em matéria”, Caboclo de Cobre, que também assina .

Com onze canções inéditas, Ybytu-Emi é um território quilombo formado pelos intérpretes Caboclo de Cobre, ISSA, Donna Liu, Mister DKO, Valente Silva, Mariana Damásio, Sérgio, May Pitanga, Marcelo Santanna, além da participação especial de Vandal de Verdade, Juracy Tavares, MC Tipo A e MC Irck. Cantores que trazem potencialidades distintas e que exaltam de forma justa a memória indígena e afro diaspórica.

A musicalidade em Ybytu-Emi é o ancestral e o contemporâneo, o couro e o digital, musicalidade afroindígena em confluência orgânica. A ritualidade das religiões afro indígenas têm o coro como rítmica de convocação, coro este muito comum a espetáculos teatrais de protesto ou épico e como o projeto é formado por artistas da música, do teatro e da performance adotar a teatralidade e ritualização em coro a obra torna-a mais coletiva.

Repertório

De acordo com Caboclo de Cobre, repertório Ybytu-Emi tem uma liturgia dividida em blocos: Prólogo, que traz um louvor a uma força maior negra e indígena; o nordestino; a negritude e a brasilidade; subdividido em: o anúncio, a saudação, existência e resistência, o nativo, o encontro, o sertão, o negro, o feminino. Palavras e nortes que impulsionam a ritualização e a musicalidade.

1 – Agô de Licença (Caboclo de Cobre) – Uma reflexão sobre o processo de encantamento, fundamento maior da cultura e ritos de caboclos.

2 – Nzambi Que Manda (Donna Liu e Mister DKO) – Dichote na cultura de caboclo é um sotaque/desafio/ameaça cantada. Neste dichote conclama-se uma revolução sob a guarda de Nzambi, divindade maior para os povos de nação banto.

3 – Cobra Coral (ISSA, Caboclo de Cobre e Vandal) – Criação de um referencial simbólico para a articulação entre movimentos negros e indígenas, a própria Cobra Coral, para enfrentamento do sistema vigente, unificando forças e implementando pautas para nichos específicos.

4- Eu Vi Gemer (Aldeia Coletivo) – O que é ser BRASILEIRO? Não importa a resposta, o que importa é o percurso, não haverá respostas escurecidas e muito menos acobreadas se não percebermos o grande processo de invisibilização da herança e contribuição ameríndia, a expressão afrobrasileira não dá conta de explicitar a contribuição indígena e positiva na construção da diáspora africana no Brasil.

5 – Nação (Valente Silva, Juracy Tavares, Caboclo de Cobre, MC Tipo A e MC Irck) – Um passeio histórico sobre a formação do Brasil, migrações, entrelaçamentos de culturas, além de questionar cientificamente o ódio/racismo religioso na atualidade, financiado e sedimentado pela violência cristã neopentecostal.

6 – Céu Lilás (ISSA e Caboclo de Cobre) – Esta composição dá conta de um mergulho no catolicismo popular nordestino, surgido no seio da nação tupinambá no nordeste do Brasil, dando origem a uma falange de oráculos e novas conformações de zeladores e sacerdotes, criando uma nova religião cabocla-cristã que atrela as divindades a elementos naturais.

7- Banquete do Rei (ISSA, Donna Liu e Caboclo de Cobre) – “Nossa Casa” para mim… Tem cheiro de charuto, de vinho, de suor dançado, tem cheiro de passado, do que veio antes, e é parte do que sou, de onde vim! Esta é uma celebração a fim de evocar a justiça através do grande Rei Xangô.

8 – Marejê (Donna Liu e Mister DKO) – É a voz feminina e as águas encantadas das yabás para vencer a revolução e derrubar os muros para a libertação. É um banhar-se para se reconhecer e para a auto cura!  “Ela pode fluir, ela pode destruir”!

9 – Nzinga (Valente Silva, ISSA e Caboclo de Cobre) – Exaltação a grande Rainha Nzinga Mbandi, a Rainha Guerreira, construindo uma plataforma de belezas presentes em comunidades tradicionais Brasil a fora, utilizando a leveza e o sorriso do Axé baiano como ferramenta para a manutenção e salvaguarda de heranças tão caras.

10 – kanzuá de Caboclo (Mariana Damásio) – fala da relação do homem com o dinheiro, “Agora, se você relaxar e deixar ele vir tranquilo, ele vem, só não fiwue achando que ele é a coisa maos importante de sua vida. O que é mais importante a gente inventa, cria, encontra”.

11 – Pássaro (Sérgio Akueran) – que para o voo é preciso cuidado, vigiar e paciência

 

Ybytu-Emi 

Ybytu significa Vento (ar em movimento, uma divindade) e Emi o sopro (o ar lançado por Olorum para que o Ara-Aiyê, corpo na terra, pulsasse vida). Para muitas culturas indígenas e africanas não há vida sem sopro e existência sem o vento. Ybytu-emi é o resultado do encontro entre as inspirações/expirações/transpirações dos povos pretos e vermelhos, e de uma construção mútua na busca pela reconstituição da liberdade, materializada no elemento ar.

O Vento anuncia o que está por vir e o Tempo dar conta de uma articulação negro-indígena que está para acontecer. O tempo é o trajeto, as perguntas e as respostas que se apresentam no caminho, ou no caminhar; o vento é a liberdade, “condição humana que nos é cerceada, arrancada”. Mas, o Novo Tempo chega com o vento e a informação, que por hora escondida, no tempo certo vai se espalhar. Com ela, a liberdade se torna o próprio vento e não só livre das opressões, mas das auto-opressões, dos vícios destrutivos, livres do orgulho e da avareza ocidental.

Ficha-técnica 

Concepção: Caboclo de Cobre e ISSA

Coordenação de Produção: Mariana Damásio

Produção Musical: AquaHertz

Direção Musical: ISSA

Direção Artística: Caboclo de Cobre

Produção Executiva: Sérgio e Heverton

Designer Gráfico: Cairo Mello

Interpretes – Caboclo de Cobre, ISSA, Donna Liu, Mister DKO, Valente Silva, Mariana Damásio, Sérgio, May Pitanga, Marcelo Santanna,

Participação: Vandal, Juracy Tavares, MC Tipo A e MC Irck

Contribuição: Jocker Guiguio, Luã Jeferson, João Paulo Rangel, Marry Rodrigues, Diana Pinto, Marina Fonseca e Gabriel Carneiro

Percussão: Heverton e Mister DKO

Guitarra: Mayale Pitanga e ISSA

Baixo: Ejigbô Oni

Comunicação: Nsanga Comunicação | Rafael Brito

Realização: AquaHertz Beats e Aldeia Coletivo



Continue lendo

Mais Vistos