conecte-se conosco

Saúde

Saúde Mental das crianças precisa de atenção

Publicado

on


Os impactos da pandemia do coronavírus na saúde mental já está sendo
sentido por todos, mas o que pouca gente tem parado para olhar é como
fica a saúde mental das crianças neste período difícil que estamos
enfrentando. Normalmente acostumadas com uma rotina agitada correndo,
brincando, pulando e rodeadas de amigos, os pequenos têm sentido os
efeitos de ficar o dia todo dentro de casa no isolamento social. Longe
da escola, creche e/ou da casa de parentes a que estavam habituadas,
elas ainda têm que lidar com o ensino a distância, um formato até
então inédito para o ensino formal.

Para o psicólogo Damião Silva, a principal dica para lidar com essa
situação é tentar manter uma rotina: “É preciso manter uma organização
das tarefas escolares, das atividades de lazer, alimentação e higiene.
Gastar energia com brincadeiras e atividades físicas no quintal, na
sala, onde for possível. Fazer as refeições juntos e conviver com
qualidade longe das telas o máximo de tempo possível. Já estamos
online o tempo todo, seja para o trabalho ou escola. Então é
fundamental deixar de lado, computador, tv e tablets. Aproveite o
momento para incentivá-los a ler mais e praticar exercícios”.

O especialista alerta os pais a ficarem atentos a alguns sinais e
sintomas que podem ocorrer no decorrer do tempo. “É mito acreditar que
depressão, ansiedade e outros transtornos de humor e afetivos é um
fenômeno apenas do mundo adulto. O diagnóstico é um pouco mais
complicado para as crianças, por isso aos primeiros sinais é sempre
bom procurar um profissional de saúde mental psicólogo ou psiquiatra,
pois muitas vezes esses sinais podem ser confundidos com birras, mau
humor, tristeza ou simplesmente agressividade. A depressão infantil
está cada vez mais frequente em crianças e adolescentes”, alerta Damião.

Tristeza, medo, desanimo, alterações do sono, alterações do padrão
alimentar, irritabilidade e isolamento, são sintomas até comuns nesses
momentos, mas devemos prestar atenção na intensidade, frequência e os
prejuízos para vida cotidiana.
“Aqueles que apresentarem sintomas incapacitantes, que causam um
sofrimento intenso e que mesmo com o apoio da família não está
cessando, é hora de investigar melhor”, esclarece o especialista.

O psicólogo destaca também que o diálogo entre pais e filhos é
essencial neste momento para que a criança seja corretamente informada
e, com isso, os sentimentos de medo e insegurança, que são normais
nessa fase, sejam cuidados de maneira adequada. Além disso, Damião
recomenda estimular as crianças a expressar seus sentimentos por meio
de desenhos e estratégias em que haja aspecto lúdico.

“Os pais devem dialogar sempre com a verdade e o máximo de clareza
possível de acordo com a idade e nível de compreensão das crianças,
além de observar as reações dela e acolhê-la, minimizando processos
ansiosos”, finaliza.



Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Rio autoriza permanência nas praias e acaba com toque de recolher

Publicado

on


O município do Rio de Janeiro autorizou a permanência de pessoas e o comércio nas areias das praias da cidade em todos os dias, inclusive fins de semana e feriados. Também foi suspenso o toque de recolher nas ruas das 23h às 5h. As novas medidas têm validade até o dia 20 de maio.

As medidas de restrição estavam em vigor desde março, com o objetivo de conter a pandemia de covid-19, mas perderam a validade com a publicação de um novo decreto hoje (7) pela prefeitura do Rio de Janeiro.

O novo decreto também acaba com a restrição de horário para atendimento presencial em comércio e serviços, incluindo bares e restaurantes. No caso dos bares e restaurantes, a única restrição de horário determinada pela prefeitura é para apresentações de música ao vivo, que só podem ocorrer até as 23h.

No caso dos estabelecimentos localizados em shopping centers, há restrições para o número de pessoas a serem atendidas ao mesmo tempo. Em locais fechados, só podem atender a 40% de sua capacidade de lotação. Em locais abertos, o percentual sobe para 60%. As mesmas regras valem para casas de espetáculo e apresentações artísticas em espaços de eventos.

Continuam proibidos, no entanto, o funcionamento de boates, danceterias e salões de dança; a realização de rodas de samba e de festas que necessitem de autorização transitória, em áreas públicas e particulares; e a entrada de ônibus e demais veículos de fretamento no município, salvo aqueles que prestem serviços regulares para empresas.

 



Continue lendo

Saúde

Estudo mostra que máscaras de algodão têm eficiência de 20% a 60%

Publicado

on


Um estudo conduzido por pesquisadores do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP) e do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) constatou que as máscaras de algodão, as mais comumente usadas pela população na prevenção da covid-19, têm eficiência de 20% a 60%. A pesquisa, divulgada no último dia 4, foi publicada na revista Aerosol Science & Technology.

O estudo mediu a eficiência de filtração de aproximadamente 300 máscaras faciais, de diferentes  tecidos, máscaras cirúrgicas e as PFF2 – sigla para peça facial filtrante com eficiência de, pelo menos, 94% segundo classificação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Para realizar o teste, os pesquisadores produziram partículas de aerossol de tamanhos variados e observaram a concentração delas no ar antes e depois da filtragem pela máscara. 

Segundo os resultados, as máscaras PFF2 apresentaram a maior eficiência para todos os tamanhos de partículas, em torno de 98%, e foram consideradas como referência para avaliação de desempenho. As máscaras cirúrgicas também tiveram ótima eficiência, de 89%.

As máscaras de TNT (tecido não tecido) mostraram uma eficiência média de 78%, sendo considerado o melhor material para a fabricação de máscaras caseiras. Mas o material mais comumente usado nas máscaras caseiras é o algodão, que apresentou uma eficiência de filtração muito variável, entre 20% e 60%, e média de 40%, não se mostrando uma boa opção para a confecção de máscaras. 

De acordo com os pesquisadores, a pesquisa mostra que grande parte da população pode estar utilizando máscaras que não oferecem proteção significativa contra a covid-19. Segundo o estudo, o mais indicado é sempre utilizar máscara, mas preferencialmente que sejam as produzidas industrialmente com padrão PFF2, ou mesmo máscaras caseiras de TNT, desde que muito bem ajustadas ao rosto. 

Os pesquisadores ressalvam, no entanto, que qualquer tipo de máscara reduz a dispersão de gotículas e aerossóis emitidos por pessoas com covid-19, sintomáticas ou assintomáticas, e diminuem a disseminação do vírus.



Continue lendo

Saúde

Rio suspende vacinação de profissionais de educação e segurança

Publicado

on


A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) foi notificada hoje (6) pelo Ministério Público do Rio de Janeiro sobre decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF) e vai suspender, a partir desta sexta-feira (7), a vacinação contra a covid-19 de profissionais de educação e segurança pública, além de motoristas e cobradores de ônibus, de transporte escolar e funcionários de serviços de limpeza urbana.

Lewandowski atendeu ao pedido de liminar feito pela Defensoria Pública do Rio, que alegou que o decreto não teve motivações técnicas para antecipar em sete posições a vacinação das categorias em relação ao plano de imunização.

Na decisão, o ministro entendeu que as autoridades locais só podem fazer alterações no plano de vacinação se estiverem amparadas em critérios técnicos.

Calendário

O organograma de vacinação do município continuará seguindo os grupos prioritários previstos na 6ª edição do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19. A partir dos 18 anos: gestantes e puérperas com comorbidades, pessoas com síndrome de Down e doentes renais crônicos dependentes de diálise.

Seguindo o escalonamento etário (nesta sexta, pessoas com 51 anos, na parte da manhã, e com 50 anos à tarde): pessoas com comorbidades, pessoas com deficiência permanente, trabalhadores da saúde, guardas municipais envolvidos diretamente nas ações de combate à pandemia e de vigilância das medidas de distanciamento social.



Continue lendo

Mais Vistos