conecte-se conosco

Esportes

Fim do distanciamento social pode provocar “síndrome da cabana”

Publicado

on

O retorno à rotina antes da pandemia de covid-19, a flexibilização das medidas protetivas, o fim do isolamento ou do distanciamento social podem causar em algumas pessoas um fenômeno que os psicólogos chamam de “síndrome da cabana”.

Apesar do nome, não é uma doença e nem é considerado transtorno mental, mas um acometimento, um estresse adaptativo entre pessoas que possam passar por dificuldades emocionais ao ter que sair do estado de retiro em sua casa e voltar às atividades presenciais no trabalho, às compras no comércio ou tenham que comparecer a uma repartição pública, como uma agência do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

“Eu tenho pacientes que ainda estão muito angustiados por não ter vacina contra a covid e a vida estar voltando à rotina de trabalho”, relata a psicóloga Célia Fernandes, de Brasília, acostumada a lidar com demandas provocadas por medo e angústia.

A expressão  “síndrome da cabana” tem origem no início do século 20 e serviu para relatar vivências de pessoas que ficavam isoladas em períodos de nevasca no Hemisfério Norte e que depois tinham que retomar o convívio. Também acometia caçadores profissionais que se embrenhavam nas matas no passado e, no presente, pode afetar trabalhadores que estão sempre afastados em razão do ofício, como por exemplo os empregados em plataformas de petróleo.

Fora de controle

“Todo tipo de isolamento pode desencadear a síndrome, principalmente se é um período extenso e que está ligado ao medo. Não é só o fato de estar em casa por longos períodos, mas a sensação de que lá fora tem algo desconhecido que pode infectar, matar ou adoecer”, contextualiza Débora Noal, também psicóloga em Brasília.

A psicóloga Ana Carolina de Araujo Cunto, do Rio de Janeiro, explica que o momento de suspensão do distanciamento pode ser desafiador para algumas pessoas. “Essa transição de sair do ambiente confortável, e controlado, para o mundo lá fora pode soar como uma coisa ameaçadora, assustadora. A pessoa pode sim ter dificuldade em retomar essas atividades e sofrer.”

“Sair não é mais natural como antes. As pessoas saiam de casa, estavam na rua e pronto. Agora não, têm que se preocupar com a máscara, têm que se preocupar em ter o distanciamento físico das pessoas. Não podem tocar nas coisas. Devem lavar as mãos ou passar álcool em gel. Verificar se estão sentadas em um lugar perto de ventilação. Ficamos em um estado de alerta constante”, descreve Cunto.

Para as pessoas com síndrome da cabana, a casa é o melhor lugar para estar, explica a psicóloga: “quando o mundo lá fora passa a ser ameaçador, seja por quais razões forem, a casa representa um lugar de proteção. Onde me sinto bem, onde estou protegido e onde consigo ter o controle das coisas.”

“Para ela, a casa representa o refúgio, o conforto, a sensação de proteção, cuidado e acolhimento. “É como se houvesse lá fora esse desconhecido que não posso ver, que no caso é o vírus, aquilo que não posso ter certeza, se tem alguém contaminado”, acrescenta Débora Noal.

Atenção na retomada

A retomada das atividades pode ser pouco produtiva no momento inicial. As psicólogas orientam para que as pessoas fiquem atentas aos sinais de ansiedade, medo e até pânico. Pode haver desconfortos como taquicardia, sudorese e dificuldade de dormir. O apetite pode mudar, desde a perda da fome até a ingestão de maior número de alimentos.

As psicólogas orientam que cada pessoa mensure o seu estresse adaptativo. Se for muito difícil a retomada, tente se lembrar das estratégias que usou para outros desafios, busque apoio em sair de casa em sua “rede socioafetiva”, formada por familiares, amigos e vizinhos, e se tiver fé, acione a espiritualidade.

Uma sugestão é sair de casa junto com alguém em que confie e que também se previna contra a covid-19. Outra dica é ensaiar a saída, iniciando com uma descida até a portaria do prédio ou ao portão da casa. Depois, em outro momento, alguns passos na rua, e mais adiante, passeios maiores para restabelecer a confiança.

Caso isso não seja suficiente, as psicólogas sugerem que as pessoas busquem atendimento especializado em consultório. “Para compreender as reações, como elas se dão e quais são as ferramentas que ela pode utilizar para enfrentar”, diz Débora Noal.

“Se a pessoa perceber que não está conseguindo ultrapassar suas dificuldades, e que isso se tornou uma coisa maior e paralisante, a ponto de não conseguir cumprir com as atividades fora de casa, então acende uma luzinha de que precisa olhar para isso com mais cautela. Se não consegue fazer isso sozinha, é recomendado que busque uma terapia para conseguir entender se tem alguma raiz mais profunda”, acrescenta Ana Carolina Cunto.

Mais informações na Radioagência Nacional.

source

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esportes

Com dois de Romero, Paraguai estreia na Copa América com vitória

Publicado

on


O Paraguai derrotou a Bolívia por 3 a 1 de virada, na noite desta segunda-feira (14) no estádio Olímpico de Goiânia, em sua estreia na Copa América. O destaque da partida foi o atacante Angel Romero, que marcou dois gols.

Com o triunfo, a equipe paraguaia assumiu a liderança do Grupo A da competição, com três pontos. Já os bolivianos ficam na lanterna da chave, sem ponto algum. A Argentina é a vice-líder, com um ponto após empatar em 1 a 1 nesta segunda com o Chile.

Triunfo de virada

A Bolívia conseguiu abrir o placar cedo, logo aos 9 minutos com o meio-campo Saavedra em cobrança de pênalti. Mas, a partir daí, a equipe comandada pelo técnico Eduardo Berizzo assumiu os controles das ações, criando uma oportunidade após a outra.

Um pouco antes do intervalo, a Bolívia ficou em desvantagem numérica quando o atacante Cullear foi expulso após receber o segundo cartão amarelo por cometer falta em Piris da Motta.

Melhor na partida, e com vantagem numérica, o Paraguai finalmente conseguiu transformar o domínio em gols na etapa final. Aos 16 minutos Romero Gamarra aproveita sobra de bola para chutar de primeira e empatar.

A virada vem três minutos depois, quando Angel Romero aproveita sobra de bola para desempatar sem dificuldades. Aos 35 minutos o ex-jogador do Corinthians marca novamente, desta vez em chute cruzado após receber de Ávalos.

Na próxima rodada, o Paraguai folga, enquanto a Bolívia enfrenta o Chile, na próxima sexta-feira (18) a partir das 18h (horário de Brasília) na Arena Pantanal.





Continue lendo

Esportes

seleção chega ao Rio para jogo contra Peru

Publicado

on


A seleção brasileira chegou ao Rio e Janeiro no final da tarde desta segunda-feira (14) para se preparar para o jogo contra o Peru, válido pela segunda rodada da fase de grupos da Copa América. A equipe comandada pelo técnico Tite ficará concentrada na Granja Comary, em Teresópolis (RJ).

Antes de seguir para o Rio de Janeiro, os jogadores que não foram titulares na vitória de 3 a 0 sobre a Venezuela, no último domino (13) em Brasília pela estreia na competição continental, treinaram no estádio Defelê.

Já os titulares no triunfo sobre os venezuelanos fizeram um trabalho de recuperação física. A expectativa é que o grupo inteiro participe das atividades da próxima terça-feira.

O Brasil volta a campo na próxima quinta-feira (17), quando mede forças com a seleção do Peru no estádio Nilton Santos, a partir das 21h (horário de Brasília). A seleção brasileira lidera o Grupo B da competição com três pontos, já os peruanos (que ainda não estrearam na Copa América) aparecem na terceira posição, sem ponto algum.

Agência Brasil

Link





Continue lendo

Esportes

Em grande fase nos tatames, Rodrigo Francioni mira cinturão do Fight To Win

Publicado

on


Faixa-preta da Fight Sports garante: “Se me ligarem amanhã, vou estar pronto”

Faixa-preta de Roberto Cyborg, Rodrigo Francioni vem somando inúmeras medalhas no circuito norte-americano de Jiu-Jitsu. Aos 27 anos, o atleta da Fight Sports disputou no último mês de maio a edição de 2021 do Pan No Gi. O resultado não foi o que o lutador esperava, porém, Rodrigo espera aprender com os erros para voltar ainda mais forte nas próximas competições:

— Acredito que estava bem, sem lesão, a cabeça estava boa, estava motivado, mas em algumas lutas realmente a gente fica travado pelo antijogo. Faltou um pouco de agressividade da minha parte, mas serve de aprendizado, com certeza não vou deixar esse erro acontecer novamente — declarou Rodrigo Francioni.

Bronze no Sul-Americano No Gi disputado no Brasil, Rodrigo acumula dentre alguns dos principais títulos o Sul-Brasileiro por 4 vezes, além do Sul-Americano e do Pan-Americano No Gi, dentre outras medalhas, e vitórias em superlutas.

Natural da cidade de Criciúma, Santa Catarina, Rodrigo tem como companheiros de treino algumas estrelas do Jiu-Jitsu e MMA, mundial como Gilbert Burns, Vagner Rocha e Roberto Cyborg, líder da Fight Sports, equipe apontada pelo faixa-preta como uma das melhores do mundo:

— Com certeza absoluta acho que a Fight Sports está no Top 3 do mundo, principalmente sem kimono. O Cyborg junto com vários outros atletas estão fazendo um trabalho excepcional, o Micael Galvão chegou aqui com a gente agora, além de outros grandes nomes do MMA e a galera do Jiu-Jitsu que se for citar, com certeza vou esquecer de alguém. O que posso dizer sem dúvida alguma é que a Fight Sports é hoje uma das maiores equipes de Jiu-Jitsu do mundo.

Além dos torneios que disputa na IBJJF, principal confederação de Jiu-Jitsu do planeta, Rodrigo ainda é constantemente chamado para lutar no Fight To Win, um dos maiores eventos de grappling dos Estados Unidos. De olho no cinturão do evento, Rodrigo prega cautela, porém não esconde o desejo de lutar pelo título da organização:

— Sem sombra de dúvida, já estou 4-0 no evento, duas de kimono e 2 sem kimono. Creio que ainda preciso enfrentar alguns atletas que estão na minha frente, na lista de espera pelo cinturão, mas se me ligarem amanhã e disserem que vou lutar, vou estar pronto — finalizou o faixa-preta que representa a Tatami Fight Wear.

Embalado na organização, a vitória mais recente de Rodrigo Francioni no F2W aconteceu sobre Matthew Ferraiolo em uma das últimas edições do Fight To Win.



Continue lendo

Mais Vistos