conecte-se conosco

Esportes

Coluna – Primeiro mergulho

Publicado

on

Há uma semana, a etapa de Berlim (Alemanha) marcou a volta da World Series (Circuito Mundial de Natação Paralímpica) após cerca de oito meses de interrupção, devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19). Apesar de o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) não ter enviado delegação, o Brasil foi representado pelo paranaense João Lucas Bezerra, de 20 anos, entre os cerca de 400 nadadores de 11 países que estiveram na capital alemã. 

O nadador da classe S9 (deficiência físico-motora) disputou cinco provas e conquistou a medalha de bronze dos 50 m borboleta, prova na qual alcançou a final B, que reúne atletas que obtiveram do nono ao 16º melhor tempo das eliminatórias. Ele também foi a final B nos 400 metros livre e nos 100 m costas, além de atingir a melhor marca da vida nos 50 m livre: 29 segundos e 66 centésimos.

“Foi muito bom, uma experiência única estar na primeira competição desde a pandemia. Pude aprender como é uma competição europeia, mais acirrada, com eliminatória de manhã e a final à tarde”, diz João, que foi atropelado aos 15 anos, teve amputação total da perna direita e entrou para a natação há quatro anos. “O desempenho foi excelente em algumas provas. Em outras, tenho ainda muito o que arrumar”, completa o jovem de Rio Branco do Sul (PR).

Ouça na Rádio Nacional

“A competição foi justamente para quantificar e entender o resultado dos treinos. Eu creio que o João é o único brasileiro a competir [internacionalmente] desde março. É importante essa retomada”, avalia Rui Menslin, técnico do nadador e da equipe da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Segundo ele, o saldo foi positivo, ainda mais considerando as restrições de treinamento da pandemia.

“No início, conseguimos trabalhar por um tempo na academia de um conhecido, que abriu a piscina só para ele. Depois, fechou tudo novamente e o João passou mais de um mês sem treinar na água, com manutenção de força e treinos físicos. Aí, conseguimos que ele retornasse àquele ambiente e treinasse por mais tempo, quase três meses”, conta Rui.

Nadador, João Lucas Bezerra
Nadador, João Lucas Bezerra

Rui Menslin, técnico da PUCPR, ao lado do nadador João Lucas Bezerra, que representou o Brasil na etapa Berlim, da World Series – Rui Menslin/Arquivo Pessoal

A liberação para realização da competição veio em setembro. A partir daí, João e Rui correram para viabilizar a ida a Berlim, em meio às restrições para entrada de estrangeiros na União Europeia. “Tivemos que realizar os testes [da covid-19] 48 horas antes de pisar lá e os resultados tinham que sair negativos. Foi bem estressante, porque as passagens e a hospedagem já estavam compradas e não tínhamos certeza de que daria certo. Seria dramático se não desse, com o valor do euro nas nuvens”, recorda o técnico.

O torneio não teve público liberado e o número de participantes foi limitado. Além disso, nadadores, comissão técnica, organização e voluntários teriam que seguir medidas de segurança sanitária durante o evento. “Precisávamos sempre manter distância de 1,5 m, ter a temperatura medida na chegada, evitar contato com outras pessoas e usar máscara até mesmo na borda da piscina”, descreve João. 

A competição reuniu vários medalhistas de ouro no Mundial do ano passado, principalmente alemães e espanhóis. Devido ao controle da pandemia ter se dado antes na Europa que no Brasil, atletas do Velho Continente puderam retomar as atividades antes. O que, para Rui, não teve grande impacto. “Ninguém teve tempo para um treino mais sólido. A gente percebeu poucos recordes alemães ou de jovens. Mesmo os [nadadores] que a gente conhece ainda estão nadando abaixo”, avalia o técnico.

“Claro, alguns tiveram o privilégio de treinar em piscina há mais tempo, então, querendo ou não, há diferença. Mas não acho que a discrepância foi tão grande”, concorda o nadador.

Jogos em vista

João, é claro, sonha com a Paralimpíada de Tóquio (Japão) em 2021. O desafio é atingir os índices do Comitê Paralímpico Internacional (IPC, sigla em inglês) e do CPB – que são mais exigentes que os internacionais. Nos 50 m livre, por exemplo, a marca mínima do IPC na classe S9 é de 26 segundos e 74 centésimos. Isso significa que o paranaense tem de baixar em pouco mais de dois segundos o tempo que alcançou em Berlim para se credenciar aos Jogos.

“Brigar por Tóquio é muito complicado por conta do meu começo de treino. São só quatro anos. Outros atletas da minha classe tem 10, 11 anos de experiência. Ainda sou novo, tenho de treinar. Outros ciclos vão se iniciar. Penso nisso [Tóquio] todo dia e nado por isso. Mas sei que é complicado”, reconhece o nadador. “Escutei muito do Rui para manter os pés no chão e aprender a cada dia”, completa.

Nadador, João Lucas Bezerra
Nadador, João Lucas Bezerra

Paranaense, de 20 anos, conquistou a medalha de bronze dos 50 m borboleta na etapa Berlim, da World Series – Rui Menslin/Arquivo Pessoal

Por outro lado, a luta por vaga nos Jogos de Paris (França), daqui a três anos, é uma realidade considerada mais concreta pelo técnico “Em função da idade, da estrutura, do crescimento dele, não tenha dúvida que ele brigará sim por 2024. Esse ano, ainda temos um bom percurso até a seletiva [para Tóquio], em março, abril ou maio. Os índices são baixos, fortes, então vamos planejar para 2021, mesmo sabendo das dificuldades. Em cima disso, caso não ocorra, a gente replaneja e reestrutura para 2024, onde as possibilidades são grandes e claras”, conclui Rui.

World Series

A etapa alemã seria a sétima e última do Circuito Mundial, iniciado em fevereiro, na Austrália – que não teve a participação de brasileiros. As cinco disputas seguintes foram suspensas ou canceladas, em razão da pandemia. Entre elas, a de São Paulo (terceira), que seria em abril, no Centro de Treinamento Paralímpico. O CPB chegou a enviar 19 atletas para a etapa de Lignano Sabbiadoro (Itália), mas eles só foram informados que o evento não ocorreria ao chegarem no país europeu.

source

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esportes

Brasil vence Tunísia na estreia do vôlei masculino

Publicado

on


A seleção brasileira masculina de vôlei derrotou a Tunísia por 3 sets a 0 (25/22, 25/20 e 25/15) na estreia na Olimpíada de Tóquio (Japão), na noite desta sexta-feira (23) na Arena de Ariake.

Nas duas primeiras parciais, o Brasil chegou a ficar atrás do placar durante boa parte do jogo. No set inicial, esteve em desvantagem de quatro pontos, mas virou e fechou em 25 a 22. No segundo set, também conseguiu se recuperar e finalizou de forma um pouco mais tranquila por 25 a 20. No terceiro set, já mais ambientada, a equipe passou por cima dos africanos e fez 25 a 15.

O próximo jogo da seleção brasileira será contra a Argentina, na segunda-feira (26) a partir das 9h45 (horário de Brasília). Na sequência, o Brasil mede forças com Rússia, Estados Unidos e França. As quartas de final acontecem entre nos dias 2 e 3 de agosto, as semifinais estão marcadas para o dia 5 e as disputas das medalhas acontecerão no dia 7 do mês que vem.

O torneio de vôlei masculino tem 12 seleções. Os times estão divididos em dois grupos de seis integrantes cada. Os quatro primeiros de cada grupo avançam para a fase eliminatória.

Juliano Justo – Repórter da TV Brasil e da Rádio Nacional

Link





Continue lendo

Esportes

Eric Takabatake perde para sul-coreano na segunda rodada do judô

Publicado

on


O brasileiro Eric Takabatake, na categoria até 60 kg, perdeu para o sul-coreano Kim Won-jin no golden score, na madrugada deste sábado (24), no Budokan, pela segunda rodada do judô da Olimpíada de Tóquio (Japão). Na luta inicial, o atleta do Esporte Clube Pinheiros passou com dificuldades por Soukphaxay Sithisane, do Laos, graças a dois waza-aris.

Derrota de Gabriela Chibana

Já na categoria até 48 kg feminina, a brasileira Gabriela Chibana foi eliminada na segunda luta por Distria Krasniq, do Kosovo. A rival da atleta paulista é líder do ranking mundial da categoria e dominou completamente o duelo. Ela venceu por ippon, aplicado quase no final do combate. Anteriormente, na primeira rodada, a brasileira eliminou, em apenas 14 segundos com um ippon, Harriet Bonface, do Malawi.

Na noite deste sábado, o Brasil volta ao Budokan com Daniel Cargnin, que estreia contra o egípcio Mohamed Abdelmawgoud na categoria até 66 kg a partir das 23h14 (horário de Brasília). Já Larissa Pimenta, na categoria até 52 kg, luta com a polonesa Agata Perenc às 23h49.

Juliano Justo – Repórter da TV Brasil e da Rádio Nacional

Link





Continue lendo

Esportes

Luisa Stefani e Laura Pigossi vencem na estreia em Tóquio

Publicado

on


A dupla formada por Luisa Stefani e Laura Pigossi estreou com vitória na Olimpíada de Tóquio (Japão), na madrugada deste sábado (24) no Estádio de Tênis de Ariake. As brasileiras superaram as canadenses Gabriela Dabrowski e Sharon Fichman por 2 sets a 0 (parciais de 7/6 e 6/4).

A vitória das brasileiras teve um sabor especial, pois foi sobre as cabeças de chave número sete da competição.

Agora, Luisa Stefani e Laura Pigossi aguardam o confronto entre Karolina Pliskova e Marketa Vondrousova, do Cazaquistão, e Ying-Ying Duan e Saisai Zheng, da China, para saber qual será o seu próximo desafio.





Continue lendo

Mais Vistos