conecte-se conosco

Esportes

Coluna – Relembrando o Xbox One

Publicado

on

A nova geração de videogames começa de vez na semana que vem. O Xbox Series X/S chega às lojas a partir do dia 10 de novembro. Já o concorrente PlayStation 5 chega dois dias depois. Com isso, já podemos decretar o fim da vida útil do PlayStation 4 e do Xbox One. É claro que os dois consoles ainda receberão suporte das fabricantes Sony e Microsoft, respectivamente, mas os olhos do mercado agora se voltam para os seus sucessores. 

Antes dessa mudança, decidi relembrar a história desses dois consoles nas próximas duas colunas. Semana que vem, eu falarei do PlayStation 4. Hoje, o destaque é o Xbox One, o console que, quando anunciado, tinha tudo para ser um fracasso. Embora mudanças de última hora tenham permitido o console permanecer vivo e relevante aos olhos do público e da indústria, as alterações não foram suficientes para fazer a Microsoft manter a liderança que detinha com o Xbox 360.

O anúncio do Xbox One em maio de 2013 é um desses acontecimentos que entraram para a história dos jogos eletrônicos. A Microsoft decidiu posicionar a marca Xbox e o seu novo console como mais que um videogame. Era a plataforma na qual o gamer também teria acesso a serviços de streaming como Netflix e ESPN e que poderia ser usada para assistir televisão aberta ou a cabo. Uma estratégia que influenciou até na escolha do nome do console e confundiu muitos consumidores, afinal, esse era o terceiro console da marca. Além disso, Xbox One (ou Xbox “um”, em português) era o apelido pelo qual os fãs identificavam o primeiro Xbox. Depois disso, ele passaria ser conhecido como “Xbox Original”.

Quando o primeiro game foi mostrado na apresentação, exibida ao vivo pela internet, mais de 30 minutos já tinham passado, o que com toda razão irritou e confundiu consumidores que esperavam novidades sobre a nova geração de games. Para completar, foi revelado que o novo videogame exigiria conexão constante à internet, algo que mesmo nos dias de hoje ainda seria motivo de reclamação para muita gente (afinal, nem todo mundo mora em área urbana com acesso à internet por fibra ótica). Além disso, jogos usados simplesmente não funcionariam nele: cada mídia física seria atrelada ao primeiro console em que fosse usada. Com a enxurrada de críticas, essas duas medidas acabariam sendo derrubadas poucos dias após anunciadas, mas já era tarde demais: a maior parte dos jogadores já tinha aberto os olhos (e a carteira) para o PlayStation 4.

Afinal, o maior motivo para a escolha de um videogame sempre foram seus jogos exclusivos. E o Xbox One, lançado em novembro de 2013, tem muito poucos. Únicos jogos relevantes são Forza Motorsport 5 e Halo 5: Guardians. O primeiro ganhou diversas sequências disponíveis também para PC. Já o segundo, embora elogiado, não conquistou a mesma unanimidade de outros jogos da franquia. O principal diferencial do Xbox One em seu lançamento, a câmera Kinect, que detecta o movimento dos jogadores, também seria ignorado pelo mercado e consumidores e, em pouco tempo, a própria Microsoft trataria de “esquecer” dele.

Apesar da falta de exclusivos, quem escolheu o Xbox One foi muito bem servido de jogos de publicadoras parceiras, as third-parties, como dizem em inglês. Praticamente todo grande lançamento desta geração estava disponível no videogame da Microsoft, incluindo arrasa-quarteirões como as séries Assassin´s Creed e Resident Evil. Produções menores, de estúdios independentes, porém, têm favorecido mais o Switch e o PlayStation 4.

A Microsoft precisava correr atrás do prejuízo. Primeiro, tornou o Xbox One retrocompatível, atributo até hoje ausente no PlayStation 4. O videogame se tornava capaz de rodar jogos do Xbox 360 e do Xbox original, ainda que a biblioteca de jogos compatíveis seja limitada e tenha crescido lentamente ao longo do tempo. Depois, a fabricante levou ao seu principal console franquias até então exclusivas da linha PlayStation, como Kingdom Hearts e Yakuza, que se tornariam títulos multiplataformas. Apostou ainda em novos modelos de Xbox One: em 2016, lançou o Xbox One S, uma versão mais leve e compacta do videogame. No ano seguinte, posicionou o Xbox como o videogame mais poderoso do mercado com o Xbox One X, uma versão mais potente do console, à frente até mesmo do PlayStation 4 Pro, produto premium da concorrente.

Mas foi só a partir de junho de 2017, com o Game Pass, que a Microsoft conseguiu o diferencial que precisava, ainda que ele tenha vindo um tanto tarde. Trata-se de um serviço que funciona como uma “Netflix dos games”, em que o usuário paga por uma assinatura e tem acesso a centenas de jogos sem qualquer custo adicional. Isso inclui inclusive grandes lançamentos, disponíveis desde o primeiro dia de chegada às lojas. O serviço se provou um sucesso, com mais de 15 milhões de assinantes, e já é defendido por muitos como um dos principais pontos positivos na linha Xbox.

Nos últimos anos, a Microsoft também tem investido pesado na aquisição de desenvolvedoras de games. Desde 2018, foram para o guarda-chuva da fabricante estúdios como Ninja Theory, Obsidian, inXile, Double Fine e, surpreendentemente, a gigante Bethesda, dona de franquias famosas como Wolfestein, Doom, The Elder Scroos e Fallout. A ideia é montar uma forte linha de exclusivos para a marca Xbox, tática que chegou com atraso para o Xbox One, mas a tempo da nova geração.

Apesar desses últimos acertos, a Microsoft continuou atrás dos concorrentes, e só restou a ela se resignar com a terceira colocação no ranking de vendas de consoles na oitava geração. Segundo o site VGChartz, até 24 de outubro de 2020 foram comercializadas 48,4 milhões de unidades de Xbox One, contra 66,8 milhões de Switch (que só foi lançado mais de três anos depois) e impressionantes 113,7 milhões de PlayStation 4, número que já coloca o videogame da Sony como o segundo mais vendido da história, perdendo apenas para o PlayStation 2.

Ao menos em um ponto a Microsoft tem o que comemorar: o Xbox One chega ao fim de sua vida útil sem sofrer nem um pouco com a pirataria. Até a data de hoje, não é possível executar cópias não-autorizadas de games de Xbox One, um feito raro, senão inédito, no mercado de games. Situação bem diferente do Xbox 360, que foi amplamente afetado. Resultado de uma engenhoso trabalho de segurança por parte da empresa, aliado a um possível desinteresse da comunidade hacker, que teria concentrado esforços nas plataformas mais bem-sucedidas PlayStation 4 e Switch.

Fica a dúvida se a Microsoft terá força para retomar a liderança na próxima geração. Curiosamente, eu e muita gente aposta na força do Xbox Series S, versão mais modesta e mais barata do console que, aliado ao Game Pass, tem potencial para se tornar líder de vendas. Vale lembrar que, atualmente, o primeiro lugar é ocupado pelo Switch e um dia já foi do Wii, videogames que estão longe de serem os mais potentes de suas respectivas gerações. É esperar para ver.

source

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esportes

Ana Sátila e Pepê garantem Brasil em semi da canoagem slalom em Tóquio

Publicado

on


O Brasil terá dois representantes nas semifinais da canoagem slalom na Olimpíada de Tóquio (Japão) que começam nas primeiras horas desta quinta-feira (29). Ana Sátila garantiu a classificação na madrugada de hoje (28) na canoa individual (C1) e Pedro Gonçalves, o Pepê, no caiaque individual (K1). Sátila disputa as semifinais às 2h (horário de Brasília) desta quinta (29), e Pepê na sexta (30), também às 2h. As finais serão disputadas na sequência das semifinais. 

Nascida em Iturama (MG), Ana Sátila, de 25 anos, está na terceira Olimpíada da carreira. Nesta madrugada, a canoísta ficou encerrou as eliminatórias do C1 com o quarto melhor tempo (109.90 segundos) na segunda descida, cometendo um toque (penalidade) na baliza oito. Na primeira descida, a brasileira completou a prova em 120.56, com duas penalidades (balizas 8 e 19).

“Tive vários erros na primeira descida, alguns toques que custaram alguns pontos. O objetivo é remar bem o tempo todo, então consegui me focar muito bem para a segunda descida. Fiz uma análise de vídeo para tentar melhorar e na segunda descida com certeza eu me superei em cada ponto que havia sido ruim”, disse Sátila ao site do Comitê Olímpico do Brasil (COB). 

 Pepe Gonçalves dcategoria K1 da canoagem slalom.  - avança às semifianis - Tóquio 2020

Pepê Gonçalves disputa as semifinais do K1 às 2h (horário de Brasília) de sexta-feira (30). Ele estreou nos Jogos Rio 2016, quando fez história ao chegar em uma final e garantir a sexta colocação  – Tóquio 2020 – Miriam Jeske/COB

Aos 28 anos, Pepê Gonçalves também segue firme na busca por medalha no K1. Sexto colocado na Rio 2016, o paulista de Ipaussu, assegurou presença nas semifinais ao completar a segunda descida em 92s91 – 6s13 inferior à primeira – encerrando em nono lugar nas eliminatórias de hoje (28). 

“A primeira descida foi um peso muito grande nas minhas costas. Já na minha segunda, eu saí muito feliz, apesar de um toque nas primeiras balizas, porque consegui concentrar. Além de classificar, foi um bom treino para as próximas etapas duras que virão. Acho que eu tenho um diferencial de que sob pressão consigo crescer”, afirmou Pepê.





Continue lendo

Esportes

Tóquio: seleção brasileira vence a Arábia Saudita e avança às quartas

Publicado

on


Rumo ao bicampeonato, a seleção olímpica brasileira se classificou às quartas de final nos Jogos de Tóquio (Japão) em primeiro lugar no Grupo D.  A liderança foi definida após o Brasil vencer a Arábia Saudita por 3 a 1 no estádio de Saitama, na cidade de japones de mesmo nome. 

Invicto, com sete pontos, os brasileiros aguardam o adversário da próxima fase: será o segundo colocado do Grupo C, composto por Espanha, Austrália, Argentina e Egito.

IIndependente do adversário, a Seleção Brasileira volta a campo no sábado (31), às 7h (horário de Brasília), também no estádio de Saitama.

Já a Arábia Saudita, que jogou com o Brasil, deu adeus aos Jogos sem pontuar, na lanterna do grupo. Além disso, medalhista de prata na Rio-2016, a Alemanha foi eliminada do grupo após empatar com a Costa do Marfim por 1 a 1, encerrando sua participação na terceira posição. Os africanos avançaram na vice-liderança.

Jogo

A equipe comandada pelo técnico André Jardine tomou a iniciativa em busca do gol. Aos 15 minutos, o meio campista Claudinho cobrou escanteio na cabeça do atacante Matheus Cunha, que empurrou para o fundo da rede.

Entretanto, aos 26, os sauditas reagiram. O zagueiro Al Amri, também de cabeça, deslocou a bola do goleiro Santos, que não conseguiu evitar o gol. Na sequência, até o intervalo, os brasileiros se esforçaram para desempatar, mas sem sucesso.

Após o intervalo, aos 20 minutos, Matheus Cunha quase marcou o segundo: acertou a trave do goleiro Al Bukhari. Dez minutos depois, aos 20,  foi Richarlison que desempatou: o atacante se antecipou a Al Bukhari, e anotou o segundo do Brasil no jogo.

Ainda teve tempo para o terceiro do Brasil Nos acréscimos, aos 47, de novo Richarlison recebeu passe rasteiro do atacante Malcom, e fechou o placar. da vitória por 3 a 1 da seleção. 

Com cinco gols marcados na Olimpíada, Richarlison se tornou o artilheiro da competição. Além dos dois gols marcados hoje, ele já havia feito três na estreia contra a Alemanha.

 





Continue lendo

Esportes

Vasco quer aproveitar bom momento para vencer São Paulo no Morumbi

Publicado

on


Lisca mal chegou a São Januário e já vai ter a primeira pedreira pela frente. O Vasco apresentou o técnico na última sexta-feira (23) e no dia seguinte a equipe entrou em campo contra o Guarani, pela Série B. Depois de três dias com o grupo, o comandante cruzmaltino encara o São Paulo, nesta quarta-feira (28), no Morumbi, às 21h30 (horário de Brasília), pela partida de ida das oitavas de final da Copa do Brasil.

A Rádio Nacional transmite o jogo, com narração de  Rodrigo Campos, comentários de Mario Silva, reportagem de Mauricio Costa e plantão de Luiz Ferreira.

Acompanhe Vasco x São Paulo, às 21h30, clique abaixo:

O confronto promete ser equilibrado. Apesar de estar na Série B, o Vasco vem de goleada sobre o Guarani por 4 a 1. Do outro lado, o São Paulo sofreu no último jogo pelo Brasileirão, perdendo de 5 a 1 para o Flamengo. O meio-campista Marquinhos Gabriel quer aproveitar o momento favorável, mas sabe da dificuldade.

“Tivemos pouco tempo de trabalho. Hoje conseguimos ir para o campo fazer um trabalho tático, de pressão no adversário. A gente sabe que o adversário é muito qualificado, mas a nossa equipe também tem qualidade, vem de uma vitória consistente contra o Guarani. A equipe deles vem de uma derrota, é usar isso a nosso favor, fazer um grande jogo lá no Morumbi”.

Uma vitória diante do São Paulo, fora de casa, daria ainda mais moral para o Vasco na sequência da temporada. Contudo, Marquinhos Gabriel sabe que a classificação dificilmente será definida nesta quarta-feira.

“Precisamos entender o jogo, saber que são dois jogos, então precisamos jogar equilibrado, não se expor muito. Tem o segundo jogo em casa, vamos decidir em casa, se puder vencer o jogo é melhor ainda, mas temos que ser consistentes, defensivamente muito equilibrados para conseguirmos um resultado bom”.

O técnico Lisca deve manter a equipe que derrotou o Guarani no último sábado com Vanderlei, Léo Matos, Ernando, Leandro Castán e Zeca; Bruno Gomes, Galarza e Marquinhos Gabriel; Léo Jabá, Gabriel Pec e Germán Cano.



Continue lendo

Mais Vistos