conecte-se conosco

Esportes

Técnico mais jovem do Brasileiro destaca ciência e duelos com Ceni

Publicado

on

O que astros da seleção brasileira como Neymar, Alisson, Philippe Coutinho e Casemiro têm em comum com Luan Carlos Neto? Todos nasceram em 1992, vivem do futebol e iniciaram as respectivas carreiras precocemente. A diferença é que se a rotina dos quatro primeiros é dentro de campo, a de Luan é fora dele. Aos 28 anos, ele é o técnico mais jovem entre os 128 clubes das quatro principais divisões nacionais. Ele treina o Goianésia, clube do interior goiano que disputa a Série D do Campeonato Brasileiro, transmitida pela TV Brasil.

Apesar da juventude, Luan já está na quinta temporada como treinador. Antes do Azulão do Vale, como é conhecido o time atual, ele trabalhou nos também goianos Novo Horizonte (clube de sua cidade natal, Ipameri, a cerca de 200 quilômetros da capital Goiânia) e Grêmio Anápolis e nos cearenses Atlético-CE, Floresta e Caucaia.

“A carreira de treinador é muito ímpar, diferente, instável. Você está sempre se equilibrando em resultados. Você precisa de um bom relacionamento com os jogadores. Uma forma é ter conhecimento. É como tento me embasar, pelo conhecimento científico. Os atletas percebem que a gente tem algo a oferecer. A vivência tem me mostrado isso na prática. O respeito é uma via de mão dupla. O que explico [aos jogadores] é que estamos no mesmo patamar, que temos de conversar olho no olho, entendendo que o diálogo é a ferramenta”, descreve o técnico.

Luan já vivenciou os dois lados do futebol. Em 2018, foi semifinalista do Campeonato Cearense pelo Uniclinic (atual Atlético-CE) e eleito o segundo melhor técnico da competição, atrás de Marcelo Chamusca (do campeão Ceará). No segundo semestre da mesma temporada, levou o Novo Horizonte à primeira divisão do Campeonato Goiano. Já em 2020, o técnico não conseguiu evitar o rebaixamento do Floresta no Cearense.

“Nessa caminhada, tive altos e baixos. É natural. Mas vejo que posso melhorar com relação a tudo. A gente pode evoluir. Eu sempre me cobro muito no aspecto tático. Estudar mais o jogo, entender mais o jogo, para tirar o máximo possível dos atletas. Essa cobrança é diária e precisa ser constante”, afirma.

Luan treina o clube do interior goiano que disputa a Série D do Campeonato Brasileiro
Luan treina o clube do interior goiano que disputa a Série D do Campeonato Brasileiro

Luan durante treino com o Goianésia, que disputa a Série D do Campeonato Brasileiro – Assessoria de Comunicação / Goianésia Esporte Clube

Da teoria a prática

O sonho de viver de futebol iniciou como o de muitos jovens. “Joguei por dois anos na categoria de base, no sub-14 e sub-16. Fui zagueiro”, conta Luan. Aprovado no curso de Educação Física da Universidade Federal de Goiás (UFG) aos 16 anos, teve que decidir se trocaria o campo pelos livros. “Eu não tinha tanta qualidade [técnica] assim”, brinca.

“Acabei entrando [no futebol] pelas portas da preparação física, pelo banco da universidade. Por isso, defendo muito a presença do conhecimento científico no futebol. Foi ele que me proporcionou estar onde estou e é o que quero seguir, em cada passo que der na carreira”, completa o profissional, que também é pós-graduado em Fisiologia do Exercício, Nutrição e Psicologia do Esporte.

Na mini-biblioteca que mantém em casa, a literatura de futebol é dominante. Especialmente a literatura portuguesa, com a qual mais se identifica. “Tenho uma admiração muito grande pela formação de treinadores em Portugal. Lá se escreve muito sobre futebol e se respeita o conhecimento científico. Não há tanto preconceito. Em sua maioria, os técnicos de lá são, de fato, professores”, diz Luan.

Especialistas portugueses como Júlio Garganta, que é doutor em ciência do esporte, ou o filósofo do futebol Manuel Sérgio se tornaram referências. Mas não só. “Leio muito sobre [os técnicos] Jorge Jesus e José Mourinho. Quando o Jesus veio para o Brasil, fiquei muito feliz, empolgado. Acompanhei vários jogos do Flamengo in loco, fiz questão”, recorda o goiano.

Com a experiência na beira do campo, surgiu a admiração por outros treinadores com os quais esteve frente a frente. Três deles em especial: Marcelo Chamusca, Lisca e Rogério Ceni. “Aprendi muito nesses confrontos, principalmente sobre estratégia. Eles me deram aula disso. Tive que me virar para sair do que estavam criando nos jogos. Saí com dor de cabeça deles [risos]. Mas foram as partidas que mais me ensinaram, pelo nível de dificuldade, que te obriga a dar uma resposta imediata”, destaca Luan.

Um desses jogos é especial para o técnico goiano: a vitória por 2 a 1 sobre o Fortaleza, na Arena Castelão, pelo Campeonato Cearense do ano passado, quando dirigia o Atlético-CE. Foi o primeiro triunfo contra Rogério Ceni, por quem havia sido derrotado nas duas vezes anteriores que se enfrentaram (ambas em 2018). “Foi um grande jogo, um espetáculo. Eles fizeram 1 a 0 com 12 segundos, mas mantivemos a nossa proposta de jogo. Empatamos e viramos”, lembra o profissional, que rasga elogios a Ceni: “Ele é muito estrategista. Muda a equipe oito, nove vezes na partida sem mexer em uma peça. É um cara muito inteligente, que pensa muito o jogo e joga junto com o time, que é algo que eu gosto também”.

Série D

Luan disputa a Série D do Brasileiro pela segunda vez. No ano passado, comandando o Atlético-CE, atingiu a segunda melhor campanha da primeira fase – ao lado de quatro times que também somaram 15 pontos em 18 possíveis. No mata-mata, a equipe caiu para o Bragantino-PA. Desta vez, a classificação na fase de grupos pelo Goianésia está bem encaminhada. Com um elenco cuja média etária é de quase 28 anos – justamente a idade do treinador -, o Azulão está em terceiro no Grupo 5, com 19 pontos, a um de se garantir na próxima fase.

Confira a classificação da Série D do Campeonato Brasileiro.

source

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esportes

Brasileiro Murilo Fischer será mais uma vez embaixador do Tour de France

Publicado

on


A 108ª edição do Tour de France começa no dia 26 de junho em Brest, na região francesa da Bretanha.

Com cinco participações em Olimpíadas e também um dos poucos brasileiros a pedalar o Tour de France, o brasileiro Murilo Fischer foi convidado novamente pela A.S.O – Amaury Sport Organisation para ser embaixador e relações públicas do maior evento de ciclismo do mundo.

A 108ª edição do Tour de France começa no dia 26 de junho em Brest, na região francesa da Bretanha.

Nas suas redes sociais, Murilo Fischer atualizará as principais notícias de bastidores do evento, que terá ao todo 3.383 km divididos em 21 etapas com a grande final no dia 18 de julho, em Paris.

O ex-atleta profissional e também parceiro do L’Étape Brasil receberá os convidados no Village das etapas, como se fosse um paddock numa comparação com a Formula 1. Os convidados do Tour de France conhecem como funciona a prova de perto. Cada embaixador tem um carro oficial para acompanhar a corrida, na frente ou lado do pelotão.

”Trazemos os convidados para dentro do Tour de France. Eles vivem uma experiência como se fosse um carro de equipe. Eles entendem como funciona a corrida. Confesso que dá muita vontade de pedalar novamente vendo tudo de perto!”, contou o especialista.

Murilo Fischer está em Treviso, na Itália, após ser convidado pela A.S.O. para fazer algumas provas, como o Dauphiné, uma prévia do Tour de France. Nessa semana, ele segue para o local da largada e já aposta numa competição equilibrada, com muitas possibilidade na mesa nas 21 etapas.

Segundo o especialista, o nível de todas as equipes é muito forte, mesmo com quatro ou cinco se destacando.”Espero um Tour de France bastante equilibrado, sensacional. Nas corridas prévias já demonstrou que terá bastante briga pela camisa amarela. Ciclisticamente falando será um dos melhores Tour de France para assistir. Além das brigas entre os adversários, vamos ver duelos entre atletas da mesma equipe”.

Um dos pontos que na avaliação de Murilo Fischer que será decisivo é a subida mítica do Mont Ventoux na etapa 11, de Sorgues a Malaucène, com 199km. O trecho retorna à rota do Tour de France pela primeira vez desde 2016, quando um temível vento Mistral passando pela chamada ‘montanha careca’ forçou o encurtamento da etapa e, por fim, viu o líder da corrida Chris Froome correndo em direção ao final após sua bicicleta danificada em uma colisão com uma motocicleta. ”É tradicionalmente uma prova para quem escala bem e faz um bom contra-relógio”, completou Murilo Fischer.

Um dos maiores ciclistas da história do Brasil elogiou a realização do L’Étape Brasil, que em 2021 terá duas edições, uma no Rio de Janeiro (RJ) e a tradicional em Campos do Jordão (SP)

Mais sobre o Tour

No Tour de France, os atletas irão encarar quatro tipos de percurso como os planos, de média montanha, montanha e as de contrarrelógio. Centenas de ciclistas de 23 equipes disputarão o título de 2021.

No ano passado, o vencedor foi o esloveno Tadej Pogačar da UAE Team Emirates. O pódio teve na sequência o compatriota Primož Roglič da Jumbo-Visma e o australiano Richie Porte do Trek-Segafredo.

AS ETAPAS
Etapa 1 – 26/06/21 Brest Landerneau 187 km
Etapa 2 – 27/06/21 Perros-Gueirec Mur-de-Bretagne 182 km
Etapa 3 – 28/06/21 Lorient Pontivy 182 km
Etapa 4 – 29/06/21 Redon Fougeres 152 km
Etapa 5 – 30/06/21 Changé Laval (ITT) 27 km contrarrelógio individual
Etapa 6 – 01/07/21 Tours Chateauroux 144 km
Etapa 7 – 02/07/21 Vierzon Le Creusot 248 km
Etapa 8 – 03/07/21 Oyonnax Le Grand Bornand 151 km
Etapa 9 – 04/07/21 Cluses Tignes – Val Claret 145 km
Dia de descanso 1

Etapa 10 – 06/07/21 Albertville Valence 186 km
Etapa 11 – 07/07/21 Sorgues Malaucene 199 km
Etapa 12 – 08/07/21 St-Paul-Trois-Chateaux Nimes 161 km
Etapa 13 – 09/07/21 Nimes Carcassonne 229 km
Etapa 14 – 10/07/21 Carcassonne Quillan 184 km
Etapa 15 – 11/07/21 Ceret Andorra la Vella 192 km

Dia de descanso 2

Etapa 16 – 13/07/21 Pas-de-la-Case Saint-Gaudens 169 km
Etapa 17 – 14/07/21 Muret St. Lary Soulan – Col de Portet 178 km
Etapa 18 – 15/07/21 Pau Luz Ardiden 130 km
Etapa 19 – 16/07/21 Mourenx Libourne 203 km
Etapa 20 – 17/07/21 Libourne Saint-Emilion (ITT) 31 km Contrarrelógio individual
Etapa 21 – 18/07/21 Chatou Paris – Champs-Elysees 112 km

L’Étape Brasil | L’Étape Rio

O Brasil terá duas edições na temporada 2021. O L’Étape Rio acontecerá de 19 a 21 de novembro, na Marina da Glória, e Campos do Jordão (SP), em 26 de setembro.

A etapa do Rio terá como sede a Marina da Glória, com percursos de 111 quilômetros e 62 quilômetros pela orla carioca.

Na versão completa da prova, os ciclistas irão até o Recreio dos Bandeirantes, e logo depois retornarão a Marina da Glória para cruzarem a linha de chegada.

Os participantes serão distribuídos na área da largada em grupos de acordo com seu condicionamento físico, ou seja, os mais rápidos largarão na frente.

Todos os protocolos de segurança a saúde publica por conta da pandemia de COVID-19 serão respeitados durante a prova.

As inscrições para o L’Étape Rio podem ser feitas através do site www.letaperio.com.br.



Continue lendo

Esportes

Velejadores comemoram retorno da Semana Internacional de Vela de Ilhabela

Publicado

on


A comunidade da vela brasileira comemora a realização da 48ª edição da Semana Internacional de Vela de Ilhabela, que será disputada de 24 a 31 de julho de 2021, em parceria com a Prefeitura de Ilhabela, no Yacht Club de Ilhabela (YCI), no litoral norte paulista.

Após a não realização das regatas presenciais no ano passado, os organizadores confirmaram o evento, que terá protocolo rígido de combate ao COVID-19, incluindo a exigência de teste de PCR com 72 horas de antecedência para o credenciamento.

As inscrições já estão abertas pelo site www.sivilhabela.com.br para os veleiros nas classes ORC, RGS, Bico de Proa, Clássicos, C30 e HPE25. O evento também terá regatas virtuais como no ano passado.

A competição começará com as tradicionais provas de longa distância como Regata Alcatrazes Marinha do Brasil por Boreste, Toque Toque e Renato Frankenthal. A organização espera receber mais de 100 barcos nesta edição, praticamente a mesma quantidade da última edição presencial, que correu em 2019 com 123 veleiros nas raias do Canal de São Sebastião.

”Isso dá quase mil tripulantes para essa 48ª Semana de Vela. O que estamos vendo em todas regatas, nas poucas que estão acontecendo, é uma fome de velejar. Venham matar a fome conosco”.

”Quanto às regatas, esperem sempre muita diversão. Nós vamos ter todas regatas que sempre ocorrer na Semana de Vela. Teremos muita barla-sota e regata de percurso médio. E uma coisa muito legal: nosso lado social está muito em alta com a regata Vela do Amanhã”, disse Mauro Dottori, organizador e diretor de vela do Yacht Club de Ilhabela.

Velejadores de vários estados já se prepararam para navegar até Ilhabela e participar das provas. Um dos exemplos é o +Bravíssimo, de Vitória (ES). A equipe se preparar para a Semana Internacional de Vela de ilhabela o ano todo, pois trata do grande encontro da modalidade. A viagem rumo à Ilhabela deve começar em 15 de julho para as 400 milhas de distância de um lugar ao outro.

Foto: Fred Hoffmann

”Estamos felizes com a realização das regatas e vamos com a equipe praticamente toda capixaba. Vamos com tudo e ansiosos para correr em Ilhabela após um ano sem! A gente treina, trabalha e otimiza o barco para a Semana de Vela. Vamos nos divertir”, explicou Luciano Secchin, do +Bravíssimo.

Atuais campeões brasileiros da classe ORC e vencedores da Santos Rio, os cariocas do Ventaneiro 3 também se mobilizam para a 48ª edição.

”Depois de um longo período estaremos de volta à belíssima raia da semana de vela. Esperamos encontrar todos nas regatas”, comemorou Renato Cunha.

Inscrições 

A Semana Internacional de Vela de Ilhabela volta a ser disputada no Canal de São Sebastião depois de dois anos. Na temporada passada ocorreu a edição virtual de 2020 com o aplicativo Virtual Regatta e o Talks, série de palestras online sobre o mundo do mar. As inscrições para as provas virtuais abrem nos próximos dias

Já os velejadores que querem correr as regatas devem fazer as inscrições exclusivamente pelo site oficial www.sivilhabela.com.br.

O acesso ao Sistema de Inscrições está disponível desde 18 de junho até o dia 19 de julho. O valor do pagamento da taxa de inscrição do veleiro será definido no momento da inscrição.

O simples cadastramento não garante nenhuma faixa de valor e sua inscrição só será efetivada após a quitação da inscrição.

O valor da inscrição do veleiro será calculado pela quantidade de tripulantes informada na inscrição obedecendo o mínimo informado na tabela abaixo:

Até 25 pés – mínimo 4 tripulantes

Até 26 pés – mínimo de 5 tripulantes

De 29 até 32 pés – mínimo de 6 tripulantes

De 33 até 40 pés – mínimo de 8 tripulantes

De 41 até 46 pés – mínimo de 10 tripulantes

De 47 pés ou maior – mínimo de 13 tripulantes

Mais depoimentos

Sergio Klepacz – Veleiro Xamã 

”Saudamos a volta da Semana de Vela de Ilhabela. Foi uma decisão com certeza acertada das lideranças da vela e até políticas. O campeonato é muito importante para a cidade de Ilhabela e para os velejadores, é o maior evento que tem, é o evento no qual todos investem, todos os velejadores competidores investem a maior parte do seu tempo, recurso, para a semana de vela”.

Mario Martinez – ABVO e Veleiro Rudá

”Essa Semana de Vela de Ilhabela com essa retomada das regatas é muito importante para nós testarmos os protocolos de segurança em relação à pandemia. Agora nós aprendemos um pouquinho mais sobre a pandemia e eu acho que nós vamos fazer um evento bem seguro, mesmo porque uma boa parte dos velejadores já está vacinada. Vai ser um evento muito bacana e a grande novidade é que voltamos a ter um campeão geral do evento”.

A última regata presencial foi realizada em 2019 com mais de 120 veleiros de todo o País e nações vizinhas. O evento em sua versão virtual teve realização do Yacht Club de Ilhabela e organização da Tribu Live Marketing e Full Time Eventos e Turismo.



Continue lendo

Esportes

Brasil enfrenta Colômbia pela Copa América

Publicado

on


A seleção brasileira de futebol volta a campo na noite desta quarta-feira (23) para enfrentar a Colômbia pela 4ª rodada do grupo B da Copa América 2021. O duelo das 21h desta noite no estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro, colocará frente a frente o Brasil, líder da chave com seis pontos e 100% de aproveitamento, e a Colômbia, vice-líder com quatro pontos.

Mesmo com time  já classificado às quartas de final, o técnico Tite vai mandar a campo uma equipe em busca da vitória para garantir a liderança da chave. Os últimos trabalhos da seleção na Granja Comary, em Teresópolis, não teve a presença da imprensa e nem a escalação para o jogo foi confirmada. Mas é  provável que a seleção entre em campo com  Weverton, Danilo, Marquinhos, Thiago Silva e Renan Lodi; Casemiro, Douglas Luiz e Everton Ribeiro; Richarlison, Neymar e Gabriel Jesus.

Do lado da Colômbia, o time pode se classificar mesmo perdendo o jogo. Para que isso aconteça basta que o Equador não ganhe do Peru, em partida que começa às 18h desta quarta. Na campanha pela Copa América, a Colômbia tem uma vitória (1×0 sobre o Equador), um empate (0x0 contra a Venezuela), e uma derrota (2×1 para o Peru). A seleção da Colômbia tevera ter Ospina, Medina, Mina, Davinson Sánchez e Tesillo; Cuéllar, Uribe e Barrios; Cuadrado, Luis Díaz e Borja.  

Com o técnico Tite comandando a equipe nacional, as duas seleções já se enfrentaram em quatros oportunidades. Foram duas vitórias brasileiras e dois empates. No último duelo, ocorreu um empate por 2 a 2, em setembro de 2019, em Miami (EUA). No retrospecto geral, são 31 jogos. O Brasil tem 18 vitórias, dez empates e apenas três derrotas.





Continue lendo

Mais Vistos