conecte-se conosco

Esportes

Manaus: familiares buscam cilindros de oxigênio para salvar pacientes

Publicado

on

A crise na saúde do estado do Amazonas levou os familiares de pacientes infectados por covid-19 a buscarem cilindros de oxigênio por conta própria para tentar evitar que seus parentes morressem por asfixia. Eles chegaram a sair com cilindros vazios dos hospitais da capital Manaus em busca de locais que pudessem enchê-los. O estoque de oxigênio acabou em vários hospitais da cidade nesta quinta-feira (14), o que levou pacientes internados à morte, segundo relatos de médicos que trabalham na cidade.

A informação foi confirmada pelo presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), Mário Vianna, que trabalha no Hospital Universitário Getúlio Vargas, em Manaus, e está na linha de frente de combate à covid-19. “Nós estamos em um cenário de guerra e, nesse cenário, principalmente na linha de frente, há pessoas que vem a falecer, ou seja, que são abatidas em combate”, desabafou o médico sobre as mortes causadas pela falta de oxigênio.

“As pessoas [estavam] saindo do hospital com cilindro arrastando indo atrás de oxigênio. Um familiar com paciente que precisa do oxigênio faz qualquer negócio. Os valores de cilindros aumentaram absurdamente, como também das medicações, e nós não vemos nenhuma atuação dos órgãos de controle social. Cadê o Ministério Público? Cadê a Polícia Federal? Cadê a Polícia Civil?”, disse.

Conforme a Agência Brasil divulgou, o aumento do número de casos da doença e a necessária corrida para abrir novos leitos hospitalares fez com que a demanda por oxigênio medicinal aumentasse exponencialmente. Na terça-feira (12), o volume do produto consumido nos hospitais da rede pública de saúde foi mais de 11 vezes superior à média diária habitual de consumo. 

Segundo acompanhantes de pacientes com covid-19 internados no Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, também na capital amazonense, o nível de oxigênio para pacientes com covid-19 na unidade chegou a ser reduzido devido à falta do insumo. 

Fátima Mello, de 60 anos, está com o filho de 39 anos internado no local com covid-19, dependendo de oxigênio. Ela contou que na quarta-feira (13), o hospital começou a reduzir o oxigênio dos pacientes, o que levou alguns hospitalizados a terem queda da saturação e a passarem mal. “Meu filho estava saturando entre 91 e 92. À noite, quando reduziram o oxigênio, ele começou a saturar 69, ele amanheceu o dia mole, não conseguia nem abrir o olho de tão mal que ele passou a noite. E, se eu não tivesse conseguido o oxigênio para ele, ele teria morrido”, relatou.

Ela conseguiu comprar um cilindro por R$ 6 mil, mas afirmou que os valores estão subindo. “Hoje eu vi anunciando R$ 8 mil o mesmo cilindro, que dura três horas. Entendeu a nossa preocupação? Porque a gente disponibiliza uma quantia dessas para durar três horas e aí não chega o oxigênio [do próprio hospital depois], vai morrer do mesmo jeito”, desabafou.

Outros familiares não tiveram a mesma condição de comprar o cilindro – seja por falta no mercado, seja pelo preço – e, na tarde de ontem, tiveram que assistir a uma nova redução da oferta de oxigênio aos pacientes, conforme relatou Fátima, e, na ocasião, os acompanhantes foram retirados do hospital.

“Começou a morrer muita gente. E aí eles tiraram todos os acompanhantes que estavam dentro do hospital, tiraram todos os acompanhantes porque eles iriam desligar [o oxigênio] 17h porque não tinha mais. A diretoria do hospital pedindo oxigênio e não chegava, nada de oxigênio. Começou a morrer gente, morrer gente e a família correndo atrás de oxigênio, todo mundo desesperado em Manaus”, contou Fátima.

Segundo Fátima, por volta das 19h30 de ontem, o hospital 28 de Agosto recebeu um carregamento de cilindros e os pacientes voltaram a receber o oxigênio.

O médico Mário Vianna alertou sobre os riscos na diminuição de oferta dos níveis de oxigênio para os pacientes como forma de racionamento. “Se eu tenho paciente com comprometimento pulmonar de 70%, 80% e eu não der oxigênio a ele 100%, eu não estou ajudando-o, eu estou inclusive causando lesão cerebral porque ele não consegue oxigenar direito com 25%, com 30% de oxigênio, e aí vai ter sequela, vai ter uma parada respiratória, parada cardíaca e vai morrer. Estamos vendo cenário de guerra, é preciso que as pessoas acreditem”, apelou o médico.

Ventilação manual

Apesar dos casos de mortes pela falta do oxigênio, Vianna contou que alguns pacientes foram salvos por serem colocados em ventilação manual, para que pudessem receber pelo menos o ar ambiente, já que não havia mais oxigênio. “Porque tem alguns pacientes que estão intubados e não conseguem manter sua respiração sem a máquina. A máquina funciona com eletricidade e com pressão de oxigênio.”

Ele relatou que ontem pacientes precisaram ser ambuzados – receberam oxigenação de forma manual – pelos profissionais de saúde e pelos próprios familiares. “Ontem [foram ambuzados] e acredito que hoje continua a acontecer porque continua tendo deficiência de oxigênio em várias unidades”, disse. No entanto, a medida tem suas limitações, já que uma pessoa não consegue realizar a ventilação manual por muito tempo seguido. 

“Em média, se a pessoa for forte e bem preparada, ela consegue ambuzar uma hora talvez duas horas sem parar, mas não consegue mais do que isso porque há um esgotamento da musculatura das mãos, são movimentos repetitivos e que a mão da pessoa entra em esgotamento. Pode ser um atleta de alta performance, mas ele não consegue ficar ambuzando durante horas seguidas”, explicou.

Vianna contou que o uso de um cilindro em esquema de revezamento entre dois a três pacientes está sendo feito de forma frequente, mas que a medida não está sendo suficiente. “Por mais cilindros que tenha, eles acabam rapidamente e você não consegue ter um quantitativo de cilindro para atender todos os doentes. Com certeza, nesse momento, vários pacientes estão com deficiência de oxigênio.”

A estudante Cibele Nogueira, 35, começou a corrida por um cilindro de oxigênio antes mesmo de a mãe precisar, por causa do medo de depender da oferta nos hospitais. “Eu encontrei hoje pela manhã, através de uma distribuidora, e fui muito rápida, tem que correr, é que nem ouro”, contou. A partir do momento em que a mãe testou positivo para covid-19, ela saiu à procura do insumo.

“As pessoas estão desesperadas atrás de oxigênio, oxímetro também, estão sentindo dificuldade de encontrar. Eu me antecipei para ter mais garantia porque ela já está sentindo cansaço, aquela dificuldade, ela não está em um período grave, mas ela já está naquele caminho. Para eu não correr o risco de perder a minha mãe, de chegar no pronto socorro e encontrar as portas fechadas, então já me precavi, estou cuidando dela em casa”, contou.

O tratamento está sendo feito em casa e, caso a mãe precise do oxigênio, ela contou que contará com o apoio de uma pessoa na família que é enfermeira. “Em nome de Jesus talvez a gente nem chegue [a usar]. Se sobrar, a gente manda para outra pessoa”, disse Cibele. Ela contou que o aluguel por dez dias custa em torno de R$ 1,5 mil.

source

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esportes

Brasil supera Canadá e leva bronze na Copa América fem

Publicado

on


A seleção brasileira feminina de basquete conquistou neste sábado (19) a medalha de bronze na AmeriCup, a Copa América da modalidade, ao derrotar o Canadá por 87 a 82 em San Juan (Porto Rico). A armadora Tainá Paixão e a pivô Clarissa anotaram 19 pontos cada e foram os destaques da equipe do técnico José Neto, que repetiu a campanha de 2019.

Depois de ir para o intervalo cinco pontos atrás, o Brasil voltou soberano para o segundo tempo, ganhando o terceiro quarto por 29 a 9 e abrindo 15 pontos de vantagem antes do quarto e último período. As brasileiras, porém, caíram de produção nos dez minutos finais e permitiram às canadenses empatarem em 68 a 68, levando o duelo para a prorrogação. A igualdade prevaleceu no primeiro tempo extra (77 a 77). No segundo, a seleção nacional, enfim, conseguiu descolar das rivais no marcador para garantir a vitória e a medalha de bronze.

As brasileiras encerraram a competição com cinco vitórias e duas derrotas. Um dos tropeços, na primeira fase, foi justamente para as canadenses, por 71 a 67. O outro foi na semifinal, diante dos Estados Unidos, por 71 a 60.

A classificação à semifinal já havia garantido o Brasil no torneio classificatório para o Mundial do ano que vem, na Austrália. A competição ainda não foi agendada.





Continue lendo

Esportes

Bragantino supera Flamengo no Maracanã e dorme na ponta do Bras

Publicado

on


A quinta rodada do Campeonato Brasileiro foi inaugurada com golaços e uma partida decidida aos 52 minutos do segundo tempo. Neste sábado (19), o Red Bull Bragantino superou o Flamengo por 3 a 2 no Maracanã, no Rio de Janeiro, em duelo marcado pelas obras de arte do lateral Aderlan, do Massa Bruta, e do atacante rubro-negro Rodrigo Muniz.

O atual bicampeão nacional passa a noite em nono lugar, com seis pontos em três jogos, mas deve perder posições no fim de semana. Os paulistas, com 11 pontos, assumiram provisoriamente a liderança do Brasileiro, um ponto a frente do Fortaleza e dois de Athletico-PR e Atlético-MG, que ainda têm compromissos pela rodada.

Os times foram a campo desfalcados. No Flamengo, são quatro ausências devido à Copa América: o lateral Mauricio Isla, os meias Giorgian de Arrascaeta e Everton Ribeiro e o atacante Gabriel Barbosa. Já o atacante Pedro, que havia testado positivo para o novo coronavírus (covid-19), segue os protocolos da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

No Bragantino, o meia Claudinho, principal nome da equipe, foi novamente poupado por desgaste físico, enquanto o lateral Luan Cândido se recupera de uma lesão no adutor da coxa esquerda. Com o técnico Maurício Barbieri suspenso, o Massa Bruta foi dirigido pelo auxiliar Claudio Maldonado. Ex-volante, o chileno foi campeão nacional pelo Flamengo em 2009.

Fazendo jus ao perfil ofensivo de ambas as equipes, o duelo foi movimentado do início ao fim. Aos 11 minutos, o primeiro golaço da noite: o atacante Helinho cobrou falta pela direita e Aderlan completou de chaleira, no ângulo do goleiro Diego Alves. Dois minutos depois, o lateral quase faz outra pintura, acertando a trave em desvio de calcanhar, após escanteio batido pelo atacante Artur.

Em seguida, aos 14 minutos, o goleiro Cleiton evitou o empate em finalização de Rodrigo Muniz dentro da área. O atacante, porém, levaria a melhor aos 26 minutos, desviando para as redes um chute torto do atacante Michael, depois de um bate-rebate. O duelo particular entre Muniz e Cleiton não terminou aí. Aos 35, o arqueiro se esticou todo para salvar o arremate de fora da área do rival. Na sequência, o camisa 43 teve a chance da virada na sobra de um escanteio, na cara do gol, mas chutou por cima.

A partida seguiu intensa depois do intervalo. Aos 14 minutos, Rodrigo Muniz cabeceou perto da pequena área e Cleiton defendeu. Quatro minutos depois, foi a vez do jovem rubro-negro se dar bem, fazendo o segundo golaço da noite. Após cruzamento pela direita do lateral Matheuzinho, o atacante acertou uma bicicleta da marca do pênalti e virou para o Flamengo. Mas aos 23, depois de um chute de Artur desviar no lateral Filipe Luís e no volante Gerson, a zaga parou e o meia Eric Ramires, substituto de Claudinho, deixou tudo igual de cabeça.

As equipes sentiram o desgaste e os minutos finais da partida não tiveram a mesma intensidade, mas foram emocionantes. Aos 44 minutos, o atacante Bruno Henrique teve a chance da vitória em cabeçada na pequena área, mas mandou por cima da meta de Cleiton. Quando o empate parecia decretado, Artur puxou contra-ataque na esquerda e cruzou para o atacante Chrigor, de cabeça, garantir a vitória dos paulistas aos 52 minutos.

Os dois times voltam a campo na quarta-feira (23), às 19h (horário de Brasília), pela sexta rodada do Brasileiro. O Flamengo recebe o Fortaleza no Maracanã, enquanto o Bragantino tem outra pedreira pela frente: o Palmeiras, no estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista (SP).





Continue lendo

Esportes

Líder Corinthians atropela Minas Brasília no Brasileiro Feminino

Publicado

on


A melhor campanha da primeira fase da Série A1 (primeira divisão) do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino é do Corinthians. Neste sábado (19), as Alvinegras golearam o Minas Brasília por 5 a 0 no Parque São Jorge, em São Paulo, pela 14ª e penúltima rodada.

O Timão foi a 37 pontos e não tem mais como ser alcançado pelo Palmeiras, segundo colocado com 31 pontos e que ainda vai a campo na rodada. O Minas permanece com 11 pontos, na 11ª posição, e ainda não garantiu a permanência na primeira divisão. As brasilienses, porém, dependem apenas de si para assegurar mais um ano na elite.

A atacante Gabi Nunes comandou o show alvinegro com três gols. Aos três minutos da primeira etapa, ela aproveitou o cruzamento da atacante Gabi Portilho pela direita e abriu o placar de cabeça. Cinco minutos depois, a lateral Yasmin bateu escanteio da direita, a zagueira Pardal desviou na primeira trave, a goleira Karen deixou escapar e a camisa 11 não perdoou. Aos 23, a zagueira Giovana Campiolo lançou Vic Albuquerque nas costas da defesa. Na saída de Karen, a atacante rolou na esquerda para Gabi Nunes completar o hat trick.

Antes do intervalo, aos 47, a lateral Katiuscia cruzou pela direita e a meia Gabi Zanotti não conseguiu finalizar, mas a bola sobrou para Vic Albuquerque arriscar da entrada da área e balançar as redes do ex-clube, fazendo o quarto do Timão. Na etapa final, o Corinthians seguiu pressionando, parando em defesas de Karen até os 36 minutos, quando Vic lançou Gabi Portilho na área. A atacante viu a goleira sair da meta e a encobriu, fechando o placar com um golaço.

Os duelos da 15ª e última rodada da primeira fase ocorrem nesta quinta-feira (24), às 15h (horário de Brasília). O Corinthians vai a Caçador (SC) encarar o Avaí/Kindermann, na reedição da final do último Brasileiro, no estádio Carlos Alberto Costa Neves. O Minas Brasília decide a permanência na primeira divisão em confronto com o Palmeiras no Abadião, em Ceilândia (DF).





Continue lendo

Mais Vistos