conecte-se conosco

Saúde

Quinze pacientes são transferidos do Amazonas para Goiás

Publicado

on


Mais 15 transferências de pacientes com covid-19 do Amazonas foram realizadas na tarde de hoje (18) para outros estados da Federação na tarde de hoje. Dessa vez, os internados foram encaminhados para a cidade de Góias (GO).

Hoje pela manhã, também foram transferidos de Parintins (AM) para Belém dois pacientes. A previsão é que mais cinco pacientes do município devem ser transportados amanhã (19) para o Hospital de Campanha de Belém.

Até o momento foram transferidos 94 pacientes para outros estados, segundo informou a Secretaria de Saúde estadual. A ação faz parte da força-tarefa, em conjunto com o governo federal, para diminuir a lotação dos hospitais públicos do estado diante do aumento do número de internações de pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

Segundo a secretaria, o estado de saúde dos pacientes é estável e, portanto, permite a locomoção área dos internados. Os pacientes transferidos para Goiás estavam no Serviço de Pronto Atendimento (SPA) São Raimundo, SPA Alvorada, SPA Zona Sul, Hospital e Pronto Socorro (HPS) Dr Aristóteles Platão Bezerra de Araújo e HPS Dr. João Lúcio Pereira Machado, todos na capital Manaus.

Segundo boletim divulgado há pouco, a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas contabilizou 232.434 casos da doença no estado. Desde que a presença do novo coronavírus no país foi confirmada, no fim de fevereiro de 2020, 6.308 pessoas morreram em decorrência da doença.

Entre os casos confirmados, 1.766 pacientes estão internados, sendo 1.144 em leitos (475 na rede privada e 669 na rede pública), 598 em UTI (284 na rede privada e 314 na rede pública) e 24 em sala vermelha (estrutura voltada à assistência temporária para estabilização de pacientes críticos ou graves que, uma vez estabilizados, são encaminhados a outros pontos da rede de atenção à saúde).



Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Fórum discute falhas na assistência à saúde e segurança do paciente

Publicado

on


Especialistas de todo o mundo se reúnem virtualmente a partir de hoje (17) no 2ª Fórum Internacional para Segurança do Paciente, com o objetivo de debater as falhas na assistência à saúde e infecções adquiridas em hospitais que respondem pela morte de milhões de pessoas anualmente no mundo. Médicos, enfermeiros, farmacêuticos, sociedades e empresas se reúnem para buscar melhorias no cuidado e mudanças para o setor.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), quatro a cada dez pacientes sofrem algum dano durante os cuidados primários e ambulatoriais e 134 milhões de eventos adversos ocorrem, anualmente, nos hospitais de países de baixa e média renda, acarretando até 2,6 milhões de mortes. Ainda segundo a OMS, cerca de US$ 42 milhões são gastos ao ano em decorrência de erros de medicação. Hoje (17), é comemorado o Dia Mundial da Segurança do Paciente, dedicado este ano a cuidados maternos e neonatais seguros.

No Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente (IBSP), ocorrem mais de 220 mil óbitos ao ano em razão dessas falhas na assistência à saúde e infecções, resultando em despesas hospitalares em torno de R$ 10,9 bilhões, valor equiparável ao de países como Estados Unidos, que possuem população 55% maior do que a brasileira.

Pesquisa efetuada pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) apurou que somente no ano de 2017, os gastos hospitalares com desperdícios de exames e procedimentos desnecessários somaram R$ 27 bilhões.

Para a fundadora do IBSP, Karina Pires, enfermeira especializada em Terapia Intensiva e Qualidade e Segurança do Paciente pela Universidade Nova de Lisboa, esses recursos poderiam ser investidos em prevenção.

Gestão de risco

A médica Rosana de Deus Decotelli, gerente médica da Aspen Pharma e membro da comissão científica do fórum, destacou a importância do atendimento multidisciplinar na assistência ao paciente. “O cuidado do paciente depende de médicos, enfermeiros, farmacêuticos. Todos os profissionais de saúde precisam estar atentos às barreiras de segurança, para que o paciente tenha a melhor qualidade assistencial”, disse à Agência Brasil.

Rosana entende que a principal mudança deve estar em usar a tecnologia e a inovação a favor dos profissionais da saúde e dos pacientes. “A tecnologia e a inovação têm que ser usadas para diminuir as falhas humanas. Se conseguirmos implementar barreiras de segurança e atenção para que essas falhas sejam minimizadas, fazendo uma boa gestão de risco, a gente pode diminuir esses eventos adversos”.

A médica elencou, entre os motivos de falhas por parte dos profissionais de saúde, fatores humanos, como a Síndrome de Burnout, que define problemas de exaustão, e cansaço; falta de conhecimento; e, ainda, falhas na transição do cuidado.

“Por isso, a gente está unindo todos os profissionais que estão envolvidos no cuidado do paciente para discutir em conjunto, para abordar não só o cuidado de um paciente, mas também essas transições dos cuidados, minimizando as falhas e criando, por exemplo, sistemas de educação continuada, de gestão de risco”.

Desafios

Participam do fórum, entre outros especialistas, o anestesista Stefan Schraag (Reino Unido), os intensivistas John Kress (Estados Unidos), Jean Louis Vincent (Bélgica), Jean Daniel Chiche (Suíça) e Pedro Póvoa (Portugal). Entre os temas abordados hoje (17) no evento estão a anestesia, procedimento que impacta diretamente na segurança do paciente, e a terapia intensiva, que foi uma das especialidades mais afetadas durante a pandemia de covid-19.

Para o IBSP, os principais desafios que serão enfrentados ao longo dos próximos dez anos pelas instituições e profissionais de saúde que buscam ofertar uma assistência de qualidade e segura envolvem a promoção da cultura de segurança; monitoramento e implementação de melhorias; envolvimento do paciente; resistência antimicrobiana e gestão medicamentosa; e força de trabalho da saúde

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima uma carência de cerca de 18 milhões de profissionais de saúde até 2030. 



Continue lendo

Saúde

São Paulo retomou vacinação com Astrazeneca apenas para segunda dose

Publicado

on


A prefeitura de São Paulo retomou hoje (17) a vacinação com AstraZeneca/Oxford. Foram recebidas ontem mais de 204 mil doses que estão sendo destinadas para completar o esquema vacinal de quem tomou a primeira dose deste fabricante. 

Nos locais em que houver falta da AstraZeneca, poderá ser feita a troca pelo imunizante da Pfizer/BioNTech. Até a última quarta-feira (15), foram aplicadas 134.790 vacinas da Pfizer em substituição à segunda dose. A intercambialidade está em vigor no estado desde 10 de setembro.

A Secretaria Municipal da Saúde orienta que a população consulte a plataforma De Olho na Fila para acompanhar a disponibilidade dos imunizantes para a segunda dose. O site também informa as condições da fila em cada posto.

Reforço em idosos

Na capital paulista, idosos com mais de 85 anos de idade estão recebendo a dose adicional apenas com o imunizante da Pfizer. Podem receber esse reforço os que tomaram a primeira dose há mais de seis meses. 



Continue lendo

Saúde

Covid-19: Fiocruz libera mais 700 mil doses da vacina AstraZeneca

Publicado

on


A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) liberou, nesta sexta-feira (17), mais 700 mil doses da vacina Oxford/AstraZeneca contra covid-19, produzida no Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz). Com a entrega ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), o total de doses disponibilizadas nesta semana chega a 4,5 milhões.

A Fiocruz retomou as entregas da vacina na última terça-feira, depois de cerca de duas semanas sem novas liberações. A fundação explicou que recebeu as remessas de agosto do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) nos dias 25 e 30 e que precisa de cerca de três semanas para concluir a fabricação das doses e os processos de controle de qualidade.

Com a conclusão desses processos nesta semana, a fundação liberou as 4,5 milhões de doses em três remessas, na terça-feira, quinta-feira e sexta-feira. Em cada dia, o estado do Rio de Janeiro buscou suas doses diretamente em Bio-Manguinhos, enquanto as demais foram encaminhadas para o Ministério da Saúde.

Além das que foram entregues nesta semana, a Fiocruz tem mais 10 milhões de doses em processo de controle de qualidade. A expectativa da fundação é que o número de doses entregues em setembro chegue a 15 milhões.

Desde o início da campanha de vacinação, a Fiocruz já entregou 96,5 milhões de doses ao Programa Nacional de Imunizações, sendo 4 milhões as doses produzidas pelo Instituto Serum e importadas prontas da Índia.

Para fabricar as doses da vacina em Bio-Manguinhos, a Fiocruz depende da importação de remessas do IFA, que é produzido pelo laboratório chinês WuXi Biologics. A fundação trabalha para assimilar o processo de produção do insumo no Brasil e se tornar autossuficiente, mas a previsão é que as primeiras doses com IFA nacional só  cheguem aos postos de vacinação no fim deste ano.



Continue lendo

Mais Vistos