O mineiro Bruno Soares está novamente na final de duplas masculinas do US Open. Nesta quinta-feira (9), a parceria do brasileiro, número 11 do ranking da Associação dos Tenistas Profissionais (ATP), com o britânico Jamie Murray (22º) derrotou o australiano John Peers (25º) e o eslovaco Filip Polasek (14º) por 2 sets 1, com parciais de 6/3, 3/6 e 6/4, em uma hora e 41 minutos de partida, pela semifinal.

Na decisão, Bruno e Murray terão pela frente o norte-americano Rajeev Ram (7º) e o britânico Joe Salisbury (6º), que eliminaram Steve Johnson (96º) e Sam Querrey (166º), ambos dos Estados Unidos por 2 sets a 0, parciais de 7/6 (7/5) e 6/4. O jogo será nesta sexta-feira (10), às 13h (horário de Brasília). Ram e Salisbury foram campeões do Aberto da Austrália do ano passado e vices na edição deste ano.

O brasileiro mira o terceiro título do US Open nas duplas masculinas, sendo o segundo consecutivo. No ano passado, Bruno levou o troféu ao lado do croata Mate Pavic, atual número um do mundo nas duplas. A conquista anterior, porém, foi justamente com Murray, em 2016. No mesmo ano, eles também venceram o Aberto da Austrália. Nas duplas mistas, o mineiro tem duas taças: em 2012 (junto da russa Ekaterina Makarova) e em 2014 (com a indiana Sania Mirza).

No primeiro set, Bruno e Murray foram mais eficientes que os rivais na devolução dos serviços, quebrando duas vezes o saque adversário para fazer 6/3. Na parcial seguinte, Polasek encaixou as devoluções e foi decisivo na vitória da parceria Austrália/Eslováquia por 6/3. No último set, o duelo transcorreu igual até o sétimo game, quando a dupla Brasil/Grã-Bretanha forçou erros de Peers na rede, conseguindo a quebra e administrando a vantagem para fechar em 6/4.

“Por algumas vezes, ao longo desse mês parado em casa, pensei em parar esse ano e preparar meu corpo para o ano que vem. Mas pensei: Quer saber? Vamos curtir o momento, preparar como dar. Acho que foi o que eu fiz. Sempre joguei bem aqui, acho que tem a superação também, ter o Noah [o filho] aqui. Eu não vinha jogando bem, estava sem ritmo nenhum. Sabia que era questão de sobrevivência no início. O corpo não estava nas melhores condições, mas sabia que teria que ser na superação. Desde a terceira rodada, temos jogado um nível de tênis super bom. Estamos muito firmes mentalmente, não deixando abalar. É curtir o momento, estamos mais uma final, mas falta um jogo para conquistarmos o caneco”, disse Bruno, após a partida, à imprensa.

O US Open é o primeiro torneio que Bruno disputa desde Wimbledon, em junho, quando foi eliminado logo na segunda rodada, ao lado de Murray. O brasileiro disputaria a Olimpíada de Tóquio (Japão), mas teve que passar por uma cirurgia de apêndice já na capital japonesa e não pôde ir à quadra.

* Atualizado às 18h01 de 9/9 com depoimento de Bruno Soares.





Yacht Club de Ilhabela sedia XVII Simpósio de Segurança do Navegador Amador

Artigo anterior

Em queda desde 2015, coberturas vacinais voltam ao patamar

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *