E-se-as-evidencias-de-um-crime-pudessem-falar-de-verdade-portalrbn-1024x768.png

Se no clássico A Bela e a Fera espanadores, xícaras, bules e relógios de parede ganharam vida para contar uma história de amor, em Os Diálogos de Uma Cena de Crime, do escritor Diego Rates, é a vez das evidências de um assassinato protagonizarem uma narrativa eletrizante envolta em suspense e mistério.

Nesta obra repleta de realismo mágico, a arma usada para matar, as digitais deixadas para trás e o cadáver ganham status de testemunhas oculares de uma execução. Com personalidades marcantes e pontos de vista diferentes sobre o que realmente aconteceu, estes objetos até então inanimados promovem diálogos mórbidos hilariantes.

Naquele exato momento, as evidências se encontravam
a caminho da delegacia. Não era tão longe de onde
estavam, no apartamento da cena de crime. O falecido
costumava se  gabar da boa localização de seu
apartamento, enquanto ainda tinha vida. Agora se
gabava um pouco menos. Às vezes a ironia do
destino realmente é muito cruel. “Será que nós
já estamos chegando?”, perguntou a Arma.

(Os Diálogos de Uma Cena de Crime, pg. 23)

Inspirado por nomes como Franz Kafka, Dostoievsk e Haruki Murakami, Rates faz de Os Diálogos de Uma Cena de Crime um verdadeiro exercício criativo. Com muita perspicácia, a obra responde questionamentos inerentes do gênero policial como “Quem é o assassino?”, mas alcança o terreno do extraordinário ao elucidar a grande pergunta: “Como as evidências criaram vida?”.

Mesmo lúdica e bem-humorada, a narrativa explora temas relevantes como a ineficiência do sistema policial e a falta de recursos para a investigação e resolução de crimes violentos como os assassinatos. O livro também expõe os padrões de terceirização da culpa para aliviar os criminosos responsáveis.

Ficha técnica

Título: Os Diálogos de Uma Cena de Crime
Autor: 
Diego Rates
Editora: Flyve
ISBN/ASIN: 978-6500382365
Páginas: 88
Preço: R$ 34,00
Onde comprar: Amazon

Sobre o autor

E se as evidências de um crime pudessem falar (de verdade)?Técnico de Informática, Diego Rates, 22 anos, é um apaixonado por literatura. Inspirado pela obra de Machado de Assis, especialmente “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, escreveu seu primeiro livro “As Últimas Memórias de um Morto-Vivo”. Ele lança agora seu segundo título, “Os Diálogos de Uma Cena de Crime”, e prepara a publicação do inédito “O Homem e a Cópia”.

Redes sociais do autor

Anvisa recebe novos dados da CoronaVac para crianças de 3 a 5 anos

Artigo anterior

Samsung Mostra Blues & Rock oferece imersão musical por meio de programação gratuita em São Paulo

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.