Como parte das ações voltadas para o início do ano letivo 2020/21 na rede estadual, que ocorre na segunda-feira (15), a Secretaria da Educação do Estado desenvolveu diferentes estratégias para auxiliar professores e estudantes durante o ano letivo. Os recursos educacionais foram pensados visando atender a todos os estudantes nos diversos perfis de acessibilidade tecnológica, inclusive aqueles que não possuem acesso à internet.

O secretário da Educação do Estado, Jerônimo Rodrigues, reforçou o compromisso da equipe para não deixar nenhum estudante de fora. “Temos diversas realidades na nossa rede escolar no que se refere ao acesso às tecnologias. Por isso, a equipe técnica da Secretaria da Educação do Estado trabalhou para criar Cadernos de Apoio à Aprendizagem, materiais para uso do Whatsapp, um canal de TV exclusivo, o Educa Bahia, além dos Roteiros e Pílulas, dos recursos da Plataforma Anísio Teixeira e das sugestões de planos de ensino para auxiliar gestores e professores nas atividades remotas, seja qual for o perfil dos estudantes, de modo que possamos garantir o direito de aprender para todos”, afirmou.

A superintendente de Políticas para a Educação Básica, Manuelita Brito, destaca que o ensino remoto não é igual ao ensino on-line. “Teremos atividades síncronas e assíncronas, ou seja, que podem ter a interação professor-aluno em tempo real (por videoconferência, por exemplo) ou em tempos diferentes, com outros recursos educacionais, como o livro didático, os Cadernos de Apoio (digitais ou impressos), as salas virtuais e o uso educativo do whatsapp. Cada professor terá autonomia na organização didática e nos recursos de interação, considerando as possibilidades de cada estudante com relação ao acesso à internet, se estável, instável ou inexistente”, acrescentou.

Como organizar as aulas em diferentes situações de acesso à internet

Para os estudantes com acesso estável à internet, os professores podem utilizar recursos digitais, como o Google Meet, para interagir em tempo real de forma on-line, em horário pré-agendado, apresentando suas aulas, facilitando a participação ativa e interação dos estudantes, esclarecendo dúvidas e solicitando produções dinâmicas, como vídeos, áudios e mapas mentais digitais.

Ainda podem ser utilizadas ferramentas de interação, como as salas virtuais, e outros materiais on-line, incluindo os recursos educacionais abertos disponíveis na Plataforma Anísio Teixeira (www.pat.educacao.ba.gov.br). Neste caso, é fundamental evitar o excesso de exposição à tela, valorizando também os experimentos feitos em casa, a leitura e a produção escrita.

Para o estudante com acesso instável à internet (menos de 2h diárias), pode-se fazer uso de áudios, podcasts e videoaulas (gravadas pelos professores, selecionadas por eles ou veiculadas pela TV Educa Bahia), que podem ser enviados por Whatsapp ou e-mail e também postadas no Classroom, interagindo em tempos diferentes, mas sem abrir mão dos espaços para o esclarecimento de dúvidas, devolutivas e correções (com respostas comentadas e construídas de forma coletiva).

Há, ainda, os cadernos de exercícios e roteiros de estudo. Nessas circunstâncias, o Whatsapp e o Classroom, que demandam conexões menos robustas, podem ser bons aliados. Recursos como o ChatClass Bahia, os Formulários do Google e outros formatos tecnologicamente mais “econômicos” também podem ser utilizados para mobilizar o estudo individual em casa, orientado e supervisionado pelos professores.

No caso de estudantes sem acesso à internet, se for possível captar o sinal da TV Educa Bahia, os estudantes podem acompanhar as aulas do EMITEC com o uso do Caderno de Apoio. Propõe-se, ainda, a organização de rotinas (com o uso de Roteiros de Estudo e Pílulas de Aprendizagem, construídos pela Secretaria da Educação) e o uso de diários de bordo, por meio do qual os alunos registram suas produções, sempre com acompanhamento da escola e dos professores. Nesse formato, é importante que a organização didática considere a centralidade dos Cadernos de Apoio à Aprendizagem (impressos) e o suporte dos livros (didáticos, paradidáticos e de literatura).

Recomenda-se que as escolas construam pastas individuais com os roteiros semanais e materiais impressos, facilitando a retirada e a entrega das atividades, a serem feitas nas escolas com pré-agendamento, a fim de evitar aglomeração. Esta organização também abre espaço para a utilização de cadernos de questões e simulados e correções feitas por meio de devolutivas escritas ou por telefone, que também pode ser um recurso importante para tirar dúvidas, a partir de horários pré-agendados.

Fonte: Ascom/ Secretaria da Educação do Estado



Livro mostra perspectivas diferentes do isolamento social

Artigo anterior

SIHS lança licitação para implantação do Sistema Integrado de Abastecimento de Água de 11 localidades no município de Jaguarari

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.