Estudantes indígenas - ensino remoto
Foto: Divulgação

Os estudantes indígenas já estão engajados em diferentes atividades pedagógicas que marcam o início do ano letivo 2020/21, com ensino 100% remoto na rede estadual de ensino. As escolas indígenas estão disponibilizando material impresso e usando ferramentas digitais, como os grupos de WhatsApp, nesta nova dinâmica de ensino e aprendizagem. Por meio desse recurso, os alunos interagem com os professores; tiram dúvidas; recebem material de estudo; e assistem a vídeos gravados pelos seus professores sobre assuntos das diferentes áreas do conhecimento.

No Colégio Estadual da Aldeia Indígena Caramuru Paraguaçu, no município de Pau Brasil, que possui três anexos escolares, a diretora Edenizia Pereira dos Santos explica como está sendo a dinâmica para os seus 615 estudantes. “As atividades remotas estão sendo feitas com materiais didáticos impressos e com os cadernos de aprendizagem disponibilizados pela Secretaria da Educação do Estado e com algumas intervenções de materiais diferenciados, produzidos pelos professores indígenas. Estamos realizando essas entregas satisfatoriamente. Como temos alunos que moram a mais de 50 km distante do colégio, dividimos os professores por localidade e criamos pontos de entrega das atividades em locais mais próximos às casas dos alunos”, relata a gestora.

Estudante do 2°/3° ano da unidade escolar, Rayani Francisco dos Santos, 15, conta que, além de ter o material impresso, ela acessa os conteúdos pela internet. “Começamos este jeito novo de aprender nesta semana, mas já posso dizer que está sendo bom o formato remoto, porque é uma forma de darmos prosseguimentos aos estudos durante a pandemia. Estou procurando me manter focada nos estudos, com a expectativa de concluir o ano letivo com uma boa base de conhecimento”.

A também estudante Emilly Silva, 17, 6°/7° ano, do Colégio Estadual Tupinambá de Acuípe de Baixo, em Ilhéus, está igualmente empolgada com o início do ano letivo. “Estou achando ótima a alternativa de estudar em casa, porque é a única forma, neste momento, de continuarmos os estudos sem o risco de contaminação com o Coronavírus. Uso o celular para fazer algumas pesquisas escolares e utilizo também os livros didáticos e outros materiais impressos na escola. Os professores estão sempre nos ajudando para darmos o nosso melhor”.

O vice-diretor do Tupinambá de Acuípe de Baixo, Thiago Mota Bahia, afirma que a escola está disponibilizando conteúdos pedagógicos nos grupos de WhatsApp, divididos por classes, e que os estudantes estão empenhados em encarar o desafio. “É uma experiência nova, inusitada e muito desafiadora. Mas com esforço, estamos aos poucos nos adaptando, com foco nas competências e habilidades dos estudantes. É uma modalidade com a qual ninguém está acostumado, mas estamos construindo soluções para que todos os nossos alunos sejam contemplados. Os que não têm acesso à internet, o ensino remoto é viabilizado a partir dos materiais impressos, que distribuímos na unidade escolar, com dias e horários apropriados para evitar aglomeração, ou fazemos chegar aos estudantes”.

Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado



Caixa diz que calendário do novo auxílio emergencial está pronto

Artigo anterior

Praia Clube alcança semifinal da Superliga feminina de vôlei

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.