Gravado no Rio de janeiro no final de 2011 e produzido por Lucas Santtana, o disco apresenta oito músicas com letras, melodias e voz de Tiago Sá e as participações de músicos da banda de Lucas Santtana na época: o próprio Santtana (guitarra e harmonio), o multi-instrumentista Lucas Vasconcellos (guitarra, piano, rhodes, hammond, moog, wurlitzer,

synths e charango), o percussionista Léo Leobons e Marcelo Callado e Ricardo Dias Gomes, respectivamente baterista e baixista da Banda Cê de Caetano Veloso.

O nome Reação da Alquimia faz uma referência ao mestre Jorge Ben Jor que é homenageado por Tiago Sá na música “Jorge”,  presente no álbum. “Além da influência mística da tradição ocultista e umbandista presente em algumas das letras, o título do trabalho alude a um agradecimento e a uma resposta ou devolução ao mestre Jorge Ben Jor que me inspirou como músico e compositor com sua originalidade”, comenta Tiago.

A inspiração do mestre Ben Jor fica mesmo por conta da originalidade já que o álbum não traz nenhum sambarock e apresenta uma sonoridade inusitada e de difícil classificação, resultado da alquimia das influências dos músicos de Lucas Santtana e do brasiliense Tiago Sá. O rock e o pop experimental estão bem evidentes no disco juntamente com as brasilidades, o baixo subgrave e batidas de afrobeat com sotaque brasileiro e roqueiro do baterista Marcelo Callado.

Abrindo o álbum como um ritual de defumação, a faixa “Damásio” é um afro rock brazuca que fala de um baiano raizeiro. A faixa “Reação da Alquimia” precede a faixa “Jorge” (homenagem a Ben Jor) e a faixa “Mensagem”, um samba moderno e quebrado que dá o recado da boa malandragem do amor. Falando de amor também tem o rock moderno de “Moça” e a faixa “Filha de Iemanjá” que mistura música baiana, com guitarra de juju music e asa branca. Fechando o disco vem “Caboclo de Agodo”, um afro rock brazuca que homenageia os povos originários brasileiros, e finalmente “Camará”, a faixa mais pesada do disco. A voz marcante do autor sobressai em todas as faixas.

Gravado durante 04 dias no estúdio Jimo do músico Marcelo Lobato da banda O’Rappa e mixado e masterizado por Buguinha Dub, o álbum foi originalmente lançado em formato fisico em Julho de 2012 e agora é resgatado e lançado digitalmente pelo selo nordestino Hominis Canidae Rec.

OUÇA NO SEU STREAM FAVORITO CLICANDO AQUI



Fonte

Atividades marcam semana da consciência negra em CMEI

Artigo anterior

Transgêneros e não binários são 2% dos brasileiros, revela estudo

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *