A pré-jornada pedagógica, que está sendo realizada de forma virtual pela Secretaria da Educação do Estado da Bahia (SEC) até esta sexta-feira (5), como parte do planejamento para o início do ano letivo 2020/21, no dia 15 de março, está contando com a interpretação para a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). A iniciativa visa garantir a inclusão de estudantes surdos e deficientes auditivos, respeitando a cultura e a identidade desse público, nas diversas atividades transmitidas através do canal do Youtube Educação Bahia e pela TV Educa Bahia. A mesma dinâmica será adotada durante a Jornada Pedagógica Paulo Freire, que acontecerá de 8 a 12 de março.

A coordenadora de Educação Especial da SEC, Marlene Cardoso, falou da importância da iniciativa. “A língua de sinais é a língua natural dos surdos. No caso dos surdos brasileiros, é a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). A importância dos intérpretes nos mostra o caminho da acessibilidade e possibilidade. Assim, nossas lives da pré-jornada pedagógica têm intérpretes de LIBRAS, que possibilitam às pessoas surdas interferir, inferir, transformar, contribuir e se expressar plenamente acerca das inúmeras questões sociais, encontrando-se como pessoas ativas da sociedade”, destacou.

A intérprete de LIBRAS, Ana Paula Melo, que atua no Centro de Capacitação de Profissionais de Educação CAS Wilson Lins, em Salvador, e participou das lives da SEC durante esta semana, reconhece a relevância e o alcance que o seu trabalho tem. “O intérprete de LIBRAS tem como função ser um canal comunicativo entre duas línguas muito distintas, que envolve a cultura surda e o ouvinte, proporcionando acessibilidade, quebrando barreiras. Sinto-me honrada em trabalhar com a comunidade surda, pois falar de acessibilidade é falar de amor e entrega. Amo o meu trabalho”, salientou.

Audiodescrição Outro recurso utilizado nas lives da pré-jornada pedagógica é a audiodescrição, que consiste na tradução das imagens em palavras para estudantes cegos e com baixa visão, deficiência intelectual e autismo. Durante as lives, todos os participantes se apresentam com audiodescrição, descrevendo como estão vestidos, algumas características físicas e como é o ambiente em que se encontram.

A audiodescritora e professora de Educação Inclusiva, Daiane Pina, que atua como técnica de Atendimento Educacional Especializado (AEE) no Centro de Educação Especial da Bahia (CEEBA), em Salvador, ressaltou de que forma a audiodescrição impacta na vida das pessoas que necessitam deste recurso. “A audiodescrição é importante para que eles possam compreender quem são as pessoas que estão falando e como elas estão, o que permite autonomia, independência, sensação de pertencimento, acesso à informação de qualidade e igualdade de direitos, pois garante o acesso ao mesmo conteúdo, na mesma hora que as demais pessoas presentes, bem como a tradução das imagens no ambiente em sua volta”, explicou.

Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado



Consulta de vagas do Sisu será disponibilizada hoje pelo MEC

Artigo anterior

Acesso ao distrito de Boa Vista da Tapera, em Encruzilhada, será pavimentado

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.