Zirk Botha, navegador de 59 anos, concluiu na sexta-feira (26 de fevereiro) os 7.200km (ou 4.000 milhas náuticas) que separam a Cidade do Cabo, na África do Sul, até o Brasil. A bordo do Ratel, um barco de 6,5m de comprimento, ele finalizou o percurso em 70 dias. O ex-oficial da Marinha sul-africana deixou seu país em 19 de dezembro de 2020 e chegou a Búzios, na Região dos Lagos fluminense, na noite da sexta-feira, mas a apresentação oficial do fim da travessia se deu na sede de Cabo Frio do Iate Clube do Rio de Janeiro, no sábado (27). “Quando comecei a planejar esta viagem, há dois anos, as pessoas disseram que eu estava louco! Quero encorajar a todos a sonhar grande, fazer o máximo e nunca permitir que ninguém os desanime. A vida é uma grande aventura”, comemorou o navegador à assessoria do evento.

Em sua trajetória entre continentes pelo oceano Atlântico, Zirk Botha encarou os riscos da navegação em mares selvagens, a privação de sono e o isolamento. “Embora tenha tido condições climáticas quase perfeitas para facilitar uma travessia recorde, foi tudo muito intenso, com apenas dois dias calmos em toda a travessia. A natureza implacável do clima é física e mentalmente desgastante. Não estava preparado para esse tipo de desafio”, disse o remador.

Além de finalizar a prova, o sul-africano conseguiu outra marca expressiva. Com o nome Row2Rio2020, a expedição de Zirk Botha quebrou a antiga marca mundial da travessia, que era 92 dias no ano de 2017 e pertencia à dupla Wayne Robertson e Braam Malherbe. “Estou à espera de verificação, mas creio que esta é a distância mais longa remada por um por apenas um sul-africano em qualquer percurso”, disse.

Remo para um futuro sustentável

A façanha de Zirk começou a ser construída na montagem do barco. “Tive meus patrocinadores, mas foi preciso aprender sozinho a trabalhar com epóxi e construi-lo no meu jardim. Eu mesmo montei todo o equipamento e fiz toda a fiação elétrica. Eu queria usar também o #Row2Rio2020 para destacar o impacto dos combustíveis fósseis e do consumismo irresponsável no planeta, que será o lar de nossos filhos e das gerações futuras.”

Zirk Botha remou da Cidade do Cabo, na África do Sul, a Cabo Frio em 70 dias.

Zirk Botha remou da Cidade do Cabo, na África do Sul, a Cabo Frio em 70 dias. – Divulgação/zirkbotha.co





Covid-19: fiscalização pune 286 empresas em São Paulo

Artigo anterior

Diretora Adelia Sampaio será homenageada em edição online do Santos Film Fest, que divulga programação formativa

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.